Luis de Molina

Luís de Molina (1535-1600) foi um proeminente teólogo jesuíta espanhol, conhecido por suas contribuições significativas à teologia e filosofia, especialmente por seu desenvolvimento da doutrina do molinismo. Nascido em Cuenca, Espanha, em 1535, ingressou na Companhia de Jesus aos dezoito anos de idade, em 10 de agosto de 1553. Na Sociedade de Jesus, destacou-se pela sua profunda aprendizagem em filosofia e teologia, bem como pela sua habilidade em ensinar essas disciplinas.

Molina estudou teologia na Universidade de Coimbra, no Reino de Portugal, onde posteriormente se tornou professor. Ele ocupou o cargo de professor de teologia na Universidade de Évora durante muitos anos, destacando-se como um dos principais teólogos da academia. Além de lecionar, Molina dedicou-se intensamente à escrita, interpretando as obras de São Tomás de Aquino e desenvolvendo suas próprias teorias teológicas.

Luís de Molina era amplamente conhecido e respeitado, tanto por sua virtude quanto por seu profundo conhecimento nas letras. Sua humildade e pobreza eram notáveis, e ele mantinha uma vida austera, com seu quarto possuindo apenas uma imagem pintada e livros. Molina seguia rigorosamente as observâncias religiosas e mantinha uma leitura diária do livro "A Imitação de Cristo" de Tomás de Kempis.

Molina escreveu várias obras importantes, incluindo:

Sua obra mais famosa, "Concordia", propõe a doutrina da scientia media, uma tentativa de reconciliar a presciência divina com o livre-arbítrio humano. Segundo Molina, Deus possui conhecimento de eventos futuros contingentes e, com base nesse conhecimento, estabelece Seus decretos predestinatórios.

As doutrinas de Molina, que desafiavam tanto as visões tradicionais agostinianas e tomistas quanto os ensinamentos de Lutero e Calvino, provocaram intensa controvérsia, especialmente entre os dominicanos e os jansenistas. A disputa tornou necessária a intervenção do Papa Clemente VIII, que estabeleceu a "Congregatio de auxiliis Gratiae" em 1598. Apesar de numerosas sessões, a congregação não chegou a uma decisão final, e em 1607 suas reuniões foram suspensas por Paulo V, que em 1611 proibiu discussões adicionais sobre a questão "de auxiliis".

Luis de Molina faleceu em Madri, em 12 de outubro de 1600, aos 65 anos de idade. Sua morte foi uma grande perda para a teologia, pois muitas de suas obras estavam em andamento no Conselho Real. Apesar das críticas e controvérsias, Molina é lembrado como um erudito que trouxe novas luzes à teologia de São Tomás de Aquino e influenciou profundamente a teologia moral e jurídica.

Molina foi também um dos primeiros jesuítas a escrever extensivamente sobre economia e direito contratual. Antes de sua época, o pensamento econômico estava intimamente ligado à teologia moral católica. Molina ajudou a desenvolver uma teoria da inflação de preços e discutiu o "paradoxo diamante-água", que explora como a escassez relativa e a utilidade de um bem determinam seu preço. Ele afirmou que o valor de um bem é determinado tanto por sua escassez quanto por sua utilidade, desafiando a teoria econômica clássica e destacando a importância das percepções subjetivas de valor na determinação dos preços de mercado.

O trabalho de Molina foi reconhecido por vários eruditos, incluindo Sylvester Maurolycus e Laurentius Beyerlinck. Maurolycus elogiou a pureza e a precisão de seus exames teológicos, enquanto Beyerlinck destacou como sua erudição superou a de muitos doutores contemporâneos. Embora houvesse divergências sobre suas doutrinas, especialmente no que tange à scientia media, a influência de Molina perdurou, sendo incorporada e debatida em diversos contextos teológicos ao longo dos séculos.

Luis de Molina (1535-1600), jesuíta espanhol, nasceu em Cuenca em 1535. Ao ingressar na Companhia de Jesus aos dezoito anos, estudou teologia em Coimbra e tornou-se professor na Universidade de Évora, Portugal. Após vinte anos nesse cargo, foi chamado para a cátedra de teologia moral em Madrid, onde faleceu em 12 de outubro de 1600. Além de outras obras, escreveu "Liberi arbitrii cum gratiae donis, divina praescientia, providentia, praedestinatione et reprobatione, concordia" (4to, Lisboa, 1588); um comentário sobre a primeira parte da "Summa" de Tomás de Aquino (2 vols., fol., Cuenca, 1593); e um tratado "De justitia et jure" (6 vols., 1593–1609). Sua fama se deve principalmente ao primeiro desses trabalhos. Foi uma tentativa de conciliar, pelo menos em palavras, as doutrinas agostinianas de predestinação e graça com o semipelagianismo que, como mostrado pela recente condenação de Baius (q.v.), tornara-se prevalente na Igreja Católica Romana. Partindo do pressuposto de que o homem é livre para realizar ou não realizar qualquer ato, Molina sustenta que tal circunstância não torna a graça de Deus nem desnecessária nem impossível: não impossível, pois Deus nunca deixa de conceder graça àqueles que a pedem com sinceridade; e não desnecessária, pois a graça, embora não seja uma causa eficiente, ainda é uma causa suficiente de salvação. Na visão de Molina, sua doutrina do livre-arbítrio não exclui a predestinação. O Deus onisciente, por meio de sua "scientia media" (a expressão é uma invenção de Molina, embora a ideia também esteja presente em seu contemporâneo mais antigo, Fonseca), ou poder de conhecer eventos futuros contingentes, prevê como usaremos nosso próprio livre-arbítrio e trataremos sua graça oferecida, e com base nessa presciência, Ele pode fundamentar Seus decretos predestinatórios. Essas doutrinas, embora em harmonia com o sentimento predominante na Igreja Católica Romana da época e ainda recomendadas por sua marcante oposição ao ensinamento de Lutero e Calvino, provocaram uma controvérsia violenta em alguns círculos, especialmente por parte dos dominicanos, e finalmente tornaram necessário a intervenção do papa (Clemente VIII.). Inicialmente (1594), ele simplesmente impôs silêncio a ambas as partes no que diz respeito à Espanha; mas, em última análise, em 1598, ele nomeou a "Congregatio de auxiliis Gratiae" para a resolução da disputa, que se tornou cada vez mais uma questão partidária. Após realizar sessões muito numerosas, a "congregação" não conseguiu decidir nada, e em 1607 suas reuniões foram suspensas por Paulo V, que em 1611 proibiu toda discussão adicional sobre a questão "de auxiliis", e esforços diligentes foram feitos para controlar a publicação até mesmo de comentários sobre Aquino. O molinismo posteriormente passou para a controvérsia jansenista.