A Princesa e o Goblin

Capítulo 1

Por que a Princesa Tem uma História Sobre Ela

Houve uma vez uma pequena princesa cujo pai era rei de um grande país cheio de montanhas e vales. Seu palácio foi construído em uma das montanhas e era muito grandioso e bonito. A princesa, chamada Irene, nasceu lá, mas logo após o seu nascimento, foi enviada para ser criada por pessoas do campo em uma grande casa, meio castelo, meio fazenda, no lado de outra montanha, cerca da metade do caminho entre sua base e seu pico, porque sua mãe não era muito saudável.

A princesa era uma criatura encantadora, e no momento em que a minha história começa, ela tinha cerca de oito anos, eu acho, mas envelhecia muito rápido. Seu rosto era justo e bonito, com olhos como dois pedaços de céu noturno, cada um com uma estrela dissolvida no azul. Esses olhos você pensaria que deveriam saber que vieram de lá, tão frequentemente eles eram virados naquela direção. O teto de seu berçário era azul, com estrelas nele, o mais parecido com o céu que podiam fazer. Mas duvido que ela tenha visto o verdadeiro céu com estrelas nele, por um motivo que é melhor mencionar de uma vez.

Essas montanhas estavam cheias de lugares ocos por baixo; cavernas enormes e caminhos sinuosos, alguns com água correndo por eles, e outros brilhando com todas as cores do arco-íris quando a luz entrava. Pouco se saberia sobre eles se não houvesse minas lá, grandes poços profundos, com galerias e passagens longas que foram escavadas para extrair o minério com o qual as montanhas estavam cheias. No processo de escavação, os mineiros encontraram muitas dessas cavernas naturais. Alguns deles tinham aberturas distantes no lado de uma montanha, ou em uma ravina.

Agora, nessas cavernas subterrâneas, vivia uma raça estranha de seres, chamada por alguns de gnomos, por outros de kobolds, por outros de goblins. Havia uma lenda no país de que, em algum momento, eles viveram acima do solo e eram muito parecidos com as outras pessoas. Mas, por alguma razão, sobre a qual havia diferentes teorias lendárias, o rei impôs o que eles acharam ser impostos severos demais, ou exigiu observâncias que não gostaram, ou começou a tratá-los com mais severidade, de alguma forma, e impor leis mais rigorosas; e a consequência foi que todos desapareceram do rosto do país. De acordo com a lenda, no entanto, em vez de irem para algum outro país, todos se refugiaram nas cavernas subterrâneas, de onde nunca saíam, exceto à noite, e raramente se mostravam em grande número, e nunca para muitas pessoas de uma vez. Dizia-se que era apenas nas partes menos frequentadas e mais difíceis das montanhas que eles se reuniam mesmo à noite ao ar livre. Aqueles que avistaram algum deles disseram que eles haviam mudado muito ao longo das gerações; e não é de surpreender, já que viviam longe do sol, em lugares frios, úmidos e escuros. Agora, eles não eram ordinariamente feios, mas ou absolutamente repulsivos, ou grotescamente ridículos em rosto e forma. Diziam que não havia invenção da mais desenfreada imaginação expressa por caneta ou lápis que pudesse superar a extravagância de sua aparência. Mas suspeito que aqueles que diziam isso haviam confundido alguns de seus companheiros animais com os próprios goblins, dos quais falarei mais adiante. Os próprios goblins não estavam tão distantes dos humanos quanto essa descrição poderia implicar. E, à medida que se deformavam fisicamente, cresciam em conhecimento e astúcia, e agora eram capazes de fazer coisas que nenhum mortal poderia ver como possível. Mas, à medida que cresciam em astúcia, cresciam em travessura, e seu grande prazer era de todas as maneiras que podiam pensar para incomodar as pessoas que viviam no andar superior, ao ar livre. Eles tinham o suficiente de afeto uns pelos outros para evitar serem absolutamente cruéis por crueldade a quem cruzasse o caminho deles; mas ainda assim eles alimentavam tão sinceramente a rixa ancestral contra aqueles que ocupavam suas antigas propriedades e especialmente contra os descendentes do rei que causara sua expulsão, que buscavam todas as oportunidades de atormentá-los de maneiras tão estranhas quanto seus inventores; e embora fossem anões e deformados, tinham força igual à sua astúcia. Com o tempo, conseguiram um rei e um governo próprio, cujo principal negócio, além de seus próprios assuntos simples, era inventar problemas para seus vizinhos. Agora será bastante evidente por que a pequena princesa nunca tinha visto o céu à noite. Eles tinham muito medo dos goblins para deixá-la sair de casa naquela hora, mesmo na companhia de muitos acompanhantes; e tinham boas razões, como veremos em breve.

Capítulo 2

A Princesa se Perde

Eu disse que a Princesa Irene tinha cerca de oito anos quando minha história começa. E é assim que começa.

Num dia muito molhado, quando a montanha estava coberta de névoa que constantemente se condensava em gotas de chuva, e caía nos telhados da grande casa antiga, de onde escorria em uma franja de água pelas beiradas ao seu redor, a princesa, é claro, não podia sair. Ela ficou muito cansada, tão cansada que nem mesmo seus brinquedos conseguiam mais entretê-la. Você se surpreenderia com isso se eu tivesse tempo para descrever a metade dos brinquedos que ela tinha. Mas então, você não teria os brinquedos em si, e isso faz toda a diferença: você não pode se cansar de algo antes de tê-lo. Era uma cena, no entanto, que valia a pena ver - a princesa sentada no berçário com o teto simulando o céu sobre sua cabeça, em uma grande mesa coberta com seus brinquedos. Se o artista quiser desenhar isso, eu aconselharia a não mexer nos brinquedos. Tenho medo de tentar descrevê-los, e acho que é melhor ele não tentar desenhá-los. Ele não deveria. Ele pode fazer mil coisas que eu não posso, mas não acredito que ele poderia desenhar esses brinquedos. Nenhum homem poderia retratar melhor a própria princesa do que ele, no entanto - inclinada com as costas curvadas na parte de trás da cadeira, com a cabeça pendendo para baixo, e as mãos no colo, muito infeliz como ela mesma diria, nem mesmo sabendo o que gostaria, a não ser sair e ficar completamente molhada, pegar um resfriado especialmente agradável, e ter que ir para a cama e tomar mingau. No momento seguinte após vê-la sentada lá, sua babá sai do quarto.

Mesmo isso é uma mudança, e a princesa acorda um pouco e olha ao redor. Então ela cai da cadeira e corre para fora da porta, não pela mesma porta pela qual a babá saiu, mas por uma que se abria no pé de uma curiosa escada velha de carvalho carcomido, que parecia como se ninguém jamais tivesse colocado os pés nela. Ela já havia subido seis degraus antes, e isso era razão suficiente, em um dia desses, para tentar descobrir o que havia no topo.

Ela correu para cima e para cima - parecia ser um longo caminho para ela! - até chegar ao topo do terceiro lance. Lá ela encontrou o patamar como o fim de um longo corredor. Ela correu para dentro. Estava cheio de portas de cada lado. Havia tantas que ela não se importou em abrir nenhuma, mas correu até o final, onde virou para outro corredor, também cheio de portas. Quando ela virou mais duas vezes e ainda viu apenas portas ao seu redor, começou a ficar assustada. Estava tão silencioso! E todas essas portas deviam esconder quartos sem ninguém! Isso era terrível. Além disso, a chuva fazia um grande barulho estrondoso no teto. Ela virou e começou a correr a toda velocidade, seus passos pequenos ecoando pelos sons da chuva - de volta para a escada e seu berçário seguro. Pelo menos, foi o que ela pensou, mas ela se perdera há muito tempo. Não significa que ela estava perdida, porque ela mesma se perdera, no entanto.

Ela correu por algum tempo, virou várias vezes e depois começou a ter medo. Muito em breve, ela estava certa de que tinha perdido o caminho de volta. Quartos por toda parte, e nenhuma escada! Seu coraçãozinho batia tão rápido quanto seus pezinhos corriam, e um nó de lágrimas crescia em sua garganta. Mas ela estava muito ansiosa e talvez muito assustada para chorar por algum tempo. Por fim, sua esperança falhou. Nada além de corredores e portas por toda parte! Ela se jogou no chão e irrompeu em um choro lamentoso interrompido por soluços.

No entanto, ela não chorou por muito tempo, porque ela era tão corajosa quanto se poderia esperar de uma princesa de sua idade. Depois de um bom choro, ela se levantou e sacudiu a poeira de seu vestido. Ah, que poeira velha era aquela! Então ela enxugou os olhos com as mãos, pois as princesas nem sempre têm seus lenços nos bolsos, assim como algumas outras meninas que eu conheço. Em seguida, como uma verdadeira princesa, ela resolveu trabalhar sabiamente para encontrar o caminho de volta: ela caminharia pelos corredores e olharia em todas as direções em busca da escada. Isso ela fez, mas sem sucesso. Ela percorreu o mesmo caminho várias vezes sem saber, pois os corredores e portas eram todos iguais. Finalmente, num canto, através de uma porta entreaberta, ela viu uma escada. Mas ai! Ela ia na direção errada: em vez de descer, subia. Assustada como estava, no entanto, não pôde deixar de desejar ver para onde ainda mais a escada poderia levá-la. Era muito estreita e tão íngreme que ela avançava como um ser de quatro patas, nas mãos e nos pés.

Capítulo 3

A Princesa e—Veremos Quem

Quando ela chegou ao topo, encontrou-se num pequeno espaço quadrado, com três portas, duas opostas uma à outra, e uma oposta ao topo da escada. Ela ficou por um momento, sem ideia alguma em sua cabecinha do que fazer a seguir. Mas, enquanto ficava ali, começou a ouvir um som curioso e zumbido. Poderia ser a chuva? Não. Era muito mais suave e até monótono do que o som da chuva, que agora mal ouvia. O suave e doce som de zumbido continuava, às vezes parando por um tempo e então recomeçando. Era mais como o zumbido de uma abelha muito feliz que tinha encontrado um rico poço de mel em alguma flor globular, do que qualquer outra coisa que eu possa pensar neste momento. De onde poderia vir? Ela encostou a orelha primeiro em uma das portas para escutar se estava lá, depois em outra. Quando encostou a orelha na terceira porta, não podia haver dúvida de onde vinha: devia ser de algo naquele quarto. O que poderia ser? Ela estava um pouco assustada, mas sua curiosidade era mais forte que seu medo, e ela abriu a porta bem devagar e espiou. O que você acha que ela viu? Uma senhora muito velha que estava fiando.

Talvez você se pergunte como a princesa poderia dizer que a senhora era velha, quando eu lhe informo que não apenas era bonita, mas sua pele era lisa e branca. Vou contar mais. Seu cabelo estava penteado para trás da testa e do rosto, e pendia solto até abaixo de suas costas. Isso não parece muito com uma senhora idosa, não é mesmo? Ah! mas era branco quase como neve. E embora seu rosto fosse tão liso, seus olhos pareciam tão sábios que você não poderia deixar de ver que ela devia ser velha. A princesa, embora não pudesse lhe dizer por quê, a achou muito velha mesmo — completamente cinquentona, ela disse para si mesma. Mas ela era um pouco mais velha do que isso, como você vai ouvir.

Enquanto a princesa olhava perplexa, com a cabeça apenas dentro da porta, a senhora idosa levantou a dela e disse, com uma voz doce, mas velha e um tanto trêmula, que se misturava muito bem com o contínuo zumbido da roda:

'Entre, minha querida; entre. Fico feliz em vê-la.'

Que a princesa era uma verdadeira princesa, agora podia-se ver claramente; pois ela não se pendurava na maçaneta da porta e ficava olhando sem se mexer, como já vi algumas fazerem que deveriam ter sido princesas, mas eram apenas um tanto vulgares. Ela fez como lhe disseram, entrou pela porta imediatamente e a fechou gentilmente atrás dela.

'Venha até mim, minha querida', disse a senhora idosa.

E novamente a princesa fez o que lhe foi dito. Aproximou-se da senhora idosa — um pouco devagar, eu confesso — mas não parou até ficar ao lado dela e olhar para cima em seu rosto com seus olhos azuis e as duas estrelas derretidas neles.

'Bem, o que você fez com seus olhos, criança?' perguntou a senhora idosa.

'Chorei', respondeu a princesa.

'Por quê, criança?'

'Porque não conseguia encontrar o caminho de volta.'

'Mas você conseguiu encontrar o caminho para cima.'

'Não no começo, não por muito tempo.'

'Mas seu rosto está listrado como as costas de uma zebra. Você não tinha um lenço para enxugar os olhos?'

'Não.'

'Então, por que você não veio até mim para enxugá-los para você?'

'Por favor, eu não sabia que você estava aqui. Farei da próxima vez.'

'Isso é uma boa criança!' disse a senhora idosa.

Então ela parou sua roda, levantou-se e, saindo da sala, voltou com uma pequena bacia de prata e uma toalha branca macia, com a qual lavou e enxugou o rosto brilhante da pequena. E a princesa achou as mãos dela tão suaves e agradáveis!

Quando ela levou a bacia e a toalha embora, a pequena princesa ficou admirada ao ver como a senhora era ereta e alta, pois, embora fosse tão velha, ela não se curvava nem um pouco. Ela estava vestida de veludo preto com renda branca espessa e pesada ao redor; e no vestido preto, seu cabelo brilhava como prata. Havia quase nenhum móvel no quarto além do que poderia haver no quarto da mais pobre velha que fazia seu pão fiando. Não havia tapete no chão, não havia mesa em lugar nenhum, nada além da roda de fiar e da cadeira ao lado dela. Quando ela voltou, sentou-se e, sem dizer uma palavra, começou a fiar novamente, enquanto Irene, que nunca tinha visto uma roda de fiar, ficou ao seu lado observando. Quando a senhora idosa tinha seu fio começando novamente, ela disse à princesa, mas sem olhar para ela:

'Você sabe meu nome, criança?'

'Não, não sei', respondeu a princesa.

'Meu nome é Irene.'

'Esse é o meu nome!' exclamou a princesa.

'Eu sei disso. Eu deixei você ter o meu. Eu não tenho o seu. Você tem o meu.'

'Como pode ser?' perguntou a princesa, perplexa. 'Eu sempre tive o meu nome.'

'Seu papai, o rei, me perguntou se eu tinha alguma objeção a você ter o meu; e, é claro, eu não tinha. Eu deixei você ter com prazer.'

'Foi muito gentil da sua parte me dar seu nome—e tão bonito', disse a princesa.

'Ah, não tão gentil assim!' disse a senhora idosa. 'Um nome é uma daquelas coisas que se pode dar e continuar com ela ao mesmo tempo. Eu tenho muitas dessas coisas. Você gostaria de saber quem eu sou, criança?'

'Sim, gostaria muito.'

'Eu sou sua tataravó', disse a senhora.

'O que é isso?' perguntou a princesa.

'Eu sou a mãe do pai da sua mãe da mãe do seu pai.'

'Ah, querida! Não consigo entender isso', disse a princesa.

'Imagino que não. Não esperava que entendesse. Mas isso não é motivo para eu não dizer.'

'Ah, não!' respondeu a princesa.

'Vou explicar tudo para você quando for mais velha', continuou a senhora. 'Mas você será capaz de entender isso agora: eu vim aqui para cuidar de você.'

'Faz muito tempo que você veio? Foi ontem? Ou foi hoje, porque estava tão molhado que eu não conseguia sair?'

'Eu estive aqui desde que você mesma veio.'

'Que tempo longo!' disse a princesa. 'Não me lembro disso de jeito nenhum.'

'Não. Eu imagino que não.'

'Mas eu nunca a vi antes.'

'Não. Mas você me verá novamente.'

'Você mora sempre neste quarto?'

'Eu não durmo nele. Eu durmo do outro lado do patamar. Eu sento aqui na maior parte do dia.'

'Eu não gostaria. Meu berçário é muito mais bonito. Você deve ser uma rainha também, se é minha bisavó grande.'

'Sim, eu sou uma rainha.'

'Onde está a sua coroa, então?' 'No meu quarto.'

'Eu gostaria de ver.'

'Você verá um dia—não hoje.'

'Eu me pergunto por que a babá nunca me contou.'

'A babá não sabe. Ela nunca me viu.'

'Mas alguém sabe que você está na casa?'

'Não, ninguém.'

'Como você faz para o almoço, então?'

'Eu crio aves—de um tipo.'

'Onde você as mantém?'

'Eu vou te mostrar.'

'E quem faz o caldo de frango para você?'

'Eu nunca mato nenhum dos MEUS frangos.'

'Então, eu não consigo entender.'

'O que você teve para o café da manhã hoje?' perguntou a senhora.

'Oh! Eu tive pão com leite e um ovo—suponho que você come os ovos delas.'

'Sim, é isso. Eu como os ovos delas.'

'É isso que deixa seu cabelo tão branco?'

'Não, minha querida. É a velhice. Eu sou muito velha.'

'Eu pensei assim. Você tem cinquenta anos?'

'Sim—mais do que isso.'

'Você tem cem anos?'

'Sim—mais do que isso. Eu sou velha demais para você adivinhar. Venha e veja minhas galinhas.'

Mais uma vez, ela parou de fiar. Ela se levantou, pegou a princesa pela mão, a conduziu para fora do quarto e abriu a porta oposta à escada. A princesa esperava ver muitas galinhas e pintinhos, mas em vez disso, viu primeiro o céu azul e depois os telhados da casa, com uma multidão dos pombos mais adoráveis, principalmente brancos, mas de todas as cores, andando por aí, fazendo reverências uns aos outros e falando uma língua que ela não entendia. Ela bateu palmas de alegria, e se ergueu um bater de asas tão grande que ela, por sua vez, ficou assustada.

'Você assustou minhas aves', disse a senhora idosa, sorrindo.

'E elas me assustaram', disse a princesa, sorrindo também. 'Mas que aves muito boas! Os ovos são bons?'

'Sim, muito bons.' 'Como deve ser pequena sua colher de ovos! Não seria melhor ter galinhas e obter ovos maiores?'

'Como eu as alimentaria, porém?'

'Eu entendo', disse a princesa. 'Os pombos se alimentam sozinhos. Eles têm asas.'

'Exatamente. Se eles não pudessem voar, eu não poderia comer seus ovos.'

'Mas como você chega aos ovos? Onde estão os ninhos deles?'

A senhora pegou um pequeno laço de corda na parede ao lado da porta e, levantando uma persiana, mostrou muitos ninhos de pombos, alguns com filhotes e alguns com ovos neles. As aves entravam pelo outro lado, e ela tirava os ovos deste lado. Ela fechou rapidamente, para que os filhotes não ficassem assustados.

'Oh, que jeito legal!' exclamou a princesa. 'Você me daria um ovo para comer? Estou um pouco com fome.'

'Eu vou dar um dia, mas agora você precisa voltar, ou a babá ficará miserável com você. Eu aposto que ela está procurando você por toda parte.'

'Menos aqui', respondeu a princesa. 'Oh, como ela ficará surpresa quando eu contar sobre minha bisavó grande!'

'Sim, ela ficará!' disse a senhora idosa com um sorriso curioso. 'Certifique-se de contar a ela tudo exatamente.'

'Isso eu farei. Por favor, você me levará de volta para ela?'

'Não posso ir até o final, mas vou te levar até o topo da escada, e então você deve correr bem rápido para o seu próprio quarto.'

A pequena princesa colocou a mão na senhora idosa, que, olhando para cá e para lá, a levou até o topo do primeiro degrau e, de lá, até o final do segundo, e não a deixou até vê-la pela metade do terceiro. Quando ouviu o grito de prazer de sua babá ao encontrá-la, virou-se e subiu as escadas novamente, muito rápido para uma bisavó tão grande, e se sentou para fiar com outro estranho sorriso em seu rosto doce e antigo.

Sobre esse fiar dela, vou contar mais outra vez.

Adivinhe o que ela estava fiando.

Capítulo 4

O que a Babá Pensou Sobre Isso

'Ué, onde você pode ter estado, princesa?' perguntou a babá, pegando-a nos braços. 'É muito cruel de sua parte se esconder por tanto tempo. Eu comecei a ficar com medo—' Aqui ela se interrompeu.

'Do que você estava com medo, babá?' perguntou a princesa.

'Não se preocupe', respondeu ela. 'Talvez eu conte outro dia. Agora me diga onde você esteve.'

'Eu subi muito alto para ver a minha bisavó muito grande e velha', disse a princesa.

'O que você quer dizer com isso?' perguntou a babá, pensando que ela estava brincando.

'Eu quero dizer que eu subi e subi para ver a minha BISAVÓ grande. Ah, babá, você não sabe que mãe de avós linda eu tenho lá em cima. Ela é uma senhora tão velha, com cabelos brancos tão adoráveis—brancos como a minha xícara de prata. Agora, quando penso nisso, acho que o cabelo dela deve ser de prata.'

'Que bobagem você está falando, princesa!' disse a babá.

'Não estou falando bobagem', retrucou Irene, um pouco ofendida. 'Vou te contar tudo sobre ela. Ela é muito mais alta que você e muito mais bonita.'

'Ah, com certeza!' observou a babá.

'E ela se alimenta de ovos de pombos.'

'Provavelmente', disse a babá.

'E ela fica sentada em um quarto vazio, fi-fiando o dia todo.'

'Não há dúvida disso', disse a babá.

'E ela guarda a coroa no quarto dela.'

'Claro—o lugar certo para guardar a coroa. Ela a usa na cama, aposto.'

'Ela não disse isso. E eu não acho que ela faz. Isso não seria confortável—seria? Eu não acho que meu papai usa a coroa como touca de dormir. Usa, babá?'

'Eu nunca perguntei a ele. Aposto que ele usa.'

'E ela está lá desde que eu cheguei aqui—há muitos anos.'

'Qualquer pessoa poderia ter te dito isso', disse a babá, que não acreditava em uma palavra do que Irene estava dizendo.

'Por que você não me contou, então?'

'Não havia necessidade. Você poderia inventar tudo por si mesma.'

'Você não acredita em mim, então!' exclamou a princesa, surpresa e irritada, como era de se esperar.

'Você esperava que eu acreditasse em você, princesa?' perguntou a babá friamente. 'Eu sei que as princesas têm o hábito de contar histórias inventadas, mas você é a primeira que eu ouvi que esperava que acreditassem nelas', ela acrescentou, vendo que a criança estava estranhamente séria.

A princesa desatou a chorar.

'Bem, eu devo dizer', observou a babá, agora totalmente irritada com ela por chorar, 'não é nada apropriado para uma princesa contar histórias e esperar ser acreditada só porque é uma princesa.'

'Mas é totalmente verdade, eu te digo.'

'Você sonhou com isso, então, criança.'

'Não, eu não sonhei. Subi as escadas, e me perdi, e se eu não tivesse encontrado a linda senhora, nunca teria me encontrado.'

'Ah, eu duvido!'

'Bem, venha comigo e veja se estou falando a verdade.'

'Na verdade, tenho outros afazeres. É hora do seu jantar, e não quero mais esse tipo de bobagem.'

A princesa enxugou os olhos, e seu rosto ficou tão quente que eles logo se secaram completamente. Ela sentou-se para jantar, mas quase não comeu nada. Não ser acreditada de forma alguma concorda com as princesas, pois uma princesa de verdade não pode contar uma mentira. Assim, durante toda a tarde, ela não disse uma palavra. Somente quando a babá falou com ela, ela respondeu, pois uma princesa de verdade nunca é rude—mesmo quando tem razão para ficar ofendida.


É claro que a babá não estava confortável em sua mente—não porque suspeitasse da menor verdade na história de Irene, mas porque a amava profundamente e estava chateada consigo mesma por ter sido rude com ela. Ela pensou que sua grosseria fosse a causa da infelicidade da princesa e não tinha ideia de que ela estava realmente e profundamente magoada por não ser acreditada. Mas, à medida que ficava mais e mais claro durante a noite em cada movimento e olhar dela, que, embora tentasse se divertir com seus brinquedos, seu coração estava muito irritado e perturbado para aproveitá-los, o desconforto da babá crescia cada vez mais. Quando chegou a hora de dormir, ela a despiu e a colocou na cama, mas a criança, em vez de levantar a pequena boca para ser beijada, virou-se para longe dela e ficou imóvel. Então o coração da babá cedeu completamente, e ela começou a chorar. Ao som do primeiro soluço dela, a princesa se virou novamente e segurou o rosto para beijá-la como de costume. Mas a babá tinha o lenço nos olhos e não viu o movimento.

'Babá,' disse a princesa, 'por que você não acredita em mim?'

'Porque eu não consigo acreditar em você', disse a babá, ficando irritada novamente.

'Ah! então, você não pode evitar', disse Irene, 'e não vou mais ficar chateada com você. Eu vou te dar um beijo e vou dormir.'

'Você é um anjinho!' exclamou a babá, pegou-a da cama e andou pelo quarto com ela nos braços, beijando e abraçando-a.

'Você vai deixar eu te levar para ver minha querida e enorme bisavó, não vai?' disse a princesa, enquanto a colocava na cama novamente.

'E você não vai dizer que sou feia, nunca mais—vai, princesa?' 'Babá, eu nunca disse que você é feia. O que você quer dizer?'

'Bem, se você não disse, quis dizer.'

'Na verdade, eu nunca disse.'

'Você disse que eu não era tão bonita quanto aquela—'

'Quanto minha linda avó—sim, eu disse isso; e digo novamente, pois é completamente verdade.'

'Então eu acho que você é cruel!' disse a babá e colocou o lenço nos olhos novamente.

'Babá, querida, nem todo mundo pode ser tão bonito quanto todo mundo, você sabe. Você é muito bonita, mas se você fosse tão bonita quanto minha avó—'

'Que se dane a sua avó!' disse a babá.

'Babá, isso é muito rude. Você não está apta a ser falada até que possa se comportar melhor.'

A princesa se virou mais uma vez, e novamente a babá ficou envergonhada consigo mesma.

'Peço desculpas, princesa', disse ela, embora ainda com um tom ofendido. Mas a princesa deixou o tom passar e prestou atenção apenas às palavras.

'Você não vai dizer isso de novo, tenho certeza', ela respondeu, mais uma vez se virando para sua babá. 'Eu só estava prestes a dizer que se você fosse duas vezes mais bonita do que é, algum rei teria se casado com você, e então o que teria acontecido comigo?'

'Você é um anjo!' repetiu a babá, abraçando-a novamente. 'Agora,' insistiu Irene, 'você vai vir ver minha avó—não vai?'

'Irei a qualquer lugar que você quiser, meu querubim', respondeu ela; e em dois minutos, a cansada princesinha já estava dormindo.

Capítulo 5

A Princesa Deixa as Coisas Como Estão

Quando ela acordou na manhã seguinte, a primeira coisa que ouviu foi a chuva ainda caindo. Na verdade, esse dia era tão parecido com o anterior que seria difícil dizer qual era o seu propósito. No entanto, a primeira coisa que ela pensou não foi sobre a chuva, mas na dama na torre; e a primeira pergunta que ocupou seus pensamentos foi se ela não deveria pedir à babá que cumprisse sua promessa ainda nesta manhã e fosse com ela encontrar sua avó assim que tivesse tomado café da manhã. Mas ela chegou à conclusão de que talvez a dama não ficasse satisfeita se ela levasse alguém para vê-la sem primeiro pedir permissão; especialmente porque era bastante evidente, já que ela vivia de ovos de pombas e os cozinhava sozinha, que ela não queria que a casa soubesse que ela estava lá. Assim, a princesa resolveu aproveitar a primeira oportunidade de subir sozinha e perguntar se poderia trazer sua babá. Ela acreditava que o fato de não poder convencê-la de outra forma de que estava dizendo a verdade teria muito peso com a avó.

A princesa e sua babá eram as melhores amigas durante todo o tempo de se vestir, e a princesa, como consequência, tomou um enorme café da manhã.

'Eu me pergunto, Lootie'—esse era o apelido dela para sua babá—'como são os ovos de pomba?' ela disse enquanto comia seu ovo—não um ovo comum, pois sempre escolhiam os rosados para ela.

'Vamos pegar um ovo de pomba, e você mesma vai julgar', disse a babá.

'Ah, não, não!' respondeu Irene, refletindo subitamente que poderiam perturbar a velha senhora ao consegui-lo e que, mesmo que não o fizessem, ela teria um a menos como consequência.

'Que criatura estranha você é', disse a babá —'primeiro querer uma coisa e depois recusar!'

Mas ela não disse isso de maneira mal-humorada, e a princesa não se importava com nenhum comentário que não fosse hostil.

'Bem, você vê, Lootie, há razões', ela respondeu e não disse mais nada, pois não queria trazer à tona o assunto de seu atrito anterior, para que sua babá não oferecesse ir antes que ela tivesse a permissão de sua avó para trazê-la. Claro, ela poderia recusar levá-la, mas então ela acreditaria nela menos do que nunca.

Agora, a babá, como ela mesma disse depois, não podia estar a cada momento no quarto; e, como nunca antes de ontem a princesa lhe dera o menor motivo para se preocupar, ainda não havia lhe ocorrido observá-la mais de perto. Então, logo ela lhe deu uma chance, e, a primeira que apareceu, Irene saiu correndo e subiu as escadas novamente.

No entanto, a aventura de hoje não saiu como a de ontem, embora tenha começado da mesma maneira; e de fato, hoje é muito raramente igual a ontem, se as pessoas observassem as diferenças—mesmo quando chove. A princesa correu por corredor após corredor e não conseguiu encontrar a escada da torre. Minha própria suspeita é que ela não havia subido o suficiente e estava procurando no segundo andar em vez do terceiro. Quando se virou para voltar, falhou igualmente em sua busca pela escada. Ela estava perdida novamente.

Dessa vez, algo fez com que fosse ainda pior suportar, e não era surpresa que ela chorasse novamente. De repente, ocorreu-lhe que foi depois de ter chorado antes que encontrou a escada de sua avó. Ela se levantou imediatamente, enxugou os olhos e começou uma nova busca.

Desta vez, embora não tenha encontrado o que esperava, ela encontrou o que era o próximo melhor: ela não deparou com uma escada que subisse, mas encontrou uma que descia. Evidentemente, não era a escada pela qual ela subira, mas era muito melhor do que nenhuma; então, desceu, e estava cantando alegremente antes de chegar ao final. Lá, para sua surpresa, ela se encontrou na cozinha. Embora não fosse permitido ir lá sozinha, sua babá frequentemente a levava, e ela era uma grande favorita dos criados. Assim, houve uma corrida geral até ela no momento em que apareceu, pois todos queriam ficar com ela; e o relato de onde ela estava logo chegou aos ouvidos da babá. Ela veio imediatamente buscá-la; mas ela nunca suspeitou de como ela tinha chegado lá, e a princesa manteve seu próprio conselho.

Seu fracasso em encontrar a velha senhora não apenas a decepcionou, mas a fez ficar muito pensativa. Às vezes, ela chegava quase à opinião da babá de que havia sonhado tudo sobre ela; mas essa fantasia nunca durava muito tempo. Ela se perguntava muito se a veria novamente e achava muito triste não ter conseguido encontrá-la quando a queria tanto. Ela resolveu não dizer mais nada à sua babá sobre o assunto, vendo que era tão pouco de seu poder provar suas palavras.

Capítulo 6

O Pequeno Mineiro

No dia seguinte, a grande nuvem ainda pairava sobre a montanha, e a chuva caía como água de uma esponja cheia. A princesa gostava muito de estar ao ar livre, e quase chorou quando viu que o tempo não melhorara. Mas a névoa não era de um cinza escuro sujo; havia luz nela; e à medida que as horas passavam, ela ficava mais clara e mais clara, até que estava quase tão brilhante que era difícil de olhar; e no final da tarde o sol surgiu gloriosamente, fazendo com que Irene aplaudisse, exclamando:

'Veja, veja, Lootie! O sol lavou o rosto. Veja como ele está brilhante! Pegue meu chapéu e vamos dar um passeio. Ah, querida! Ah, querida! Como estou feliz!'

Lootie ficou muito feliz em agradar à princesa. Ela pegou o chapéu e o casaco, e saíram juntas para um passeio pela montanha; pois a estrada era tão dura e íngreme que a água não podia repousar sobre ela, e sempre ficava seca o suficiente para caminhar alguns minutos depois da chuva parar. As nuvens se afastavam em pedaços quebrados, como grandes ovelhas muito peludas, cuja lã o sol tinha branqueado até quase ficar muito branca para os olhos suportarem. Entre elas, o céu brilhava com um azul mais profundo e puro, por causa da chuva. As árvores à beira da estrada estavam todas cobertas de gotas, que cintilavam no sol como jóias. As únicas coisas que não ficaram mais brilhantes por causa da chuva foram os riachos que desciam da montanha; eles tinham mudado da transparência do cristal para um marrom barrento; mas, o que perderam em cor, ganharam em som—ou pelo menos em barulho, pois um riacho quando está inchado não é tão musical quanto antes. Mas Irene estava extasiada com os grandes rios marrons caindo por toda parte; e Lootie compartilhava de sua alegria, pois ela também havia estado confinada à casa por três dias.

Finalmente, ela observou que o sol estava se pondo e disse que era hora de voltar. Ela fez a observação várias vezes, mas, toda vez, a princesa implorou para continuar só um pouco mais e um pouco mais; lembrando a ela que era muito mais fácil descer a colina, e dizendo que quando se virassem, estariam em casa em um momento. Assim, elas continuaram, agora para ver um grupo de samambaias sobre cujas copas um riacho estava derramando em um arco aquoso, agora para pegar uma pedra brilhante de uma rocha à beira da estrada, agora para assistir ao voo de algum pássaro. De repente, a sombra de um grande pico de montanha apareceu por trás e se projetou na frente delas. Quando a babá viu, ela deu um salto, tremendo, e segurando a mão da princesa, virou-se e começou a correr colina abaixo.

'Qual é toda essa pressa, babá?' perguntou Irene, correndo ao lado dela.

'Não podemos ficar fora um momento a mais.'

'Mas não podemos evitar ficar fora muitos momentos a mais.'

Era verdade demais. A babá quase chorou. Elas estavam muito longe de casa. Era contra as ordens expressas ficar com a princesa um momento depois do pôr do sol; e elas estavam a quase um quilômetro acima da montanha! Se Sua Majestade, o papai de Irene, descobrisse, Lootie certamente seria demitida; e deixar a princesa quebraria seu coração. Não era de se admirar que ela corresse. Mas Irene não estava com medo, sem saber de nada para ter medo. Ela continuava tagarelando o melhor que podia, mas não era fácil.

'Lootie! Lootie! por que você está correndo tão rápido? Isso balança meus dentes quando eu falo.'

'Então, não fale', disse Lootie.

'Mas a princesa continuou falando. Ela sempre dizia: 'Veja, veja, Lootie!' mas Lootie não prestava mais atenção a nada que ela dizia, apenas continuava correndo.

'Veja, veja, Lootie! Você não vê aquele homem engraçado espiando por cima da rocha?'

Lootie apenas correu mais rápido. Elas tinham que passar pela rocha, e quando chegaram mais perto, a princesa viu que era apenas um pedaço da própria rocha que ela tinha tomado por um homem.

'Veja, veja, Lootie! Há uma criatura tão curiosa aos pés daquela árvore antiga. Olhe para ela, Lootie! Está fazendo caretas para nós, eu acho.'

Lootie deu um grito abafado e correu ainda mais rápido, tão rápido que as pernas pequenas de Irene não conseguiam acompanhá-la, e ela caiu com um estrondo. Era uma estrada íngreme e difícil, e ela estava correndo muito rápido, então não é de admirar que tenha começado a chorar. Isso deixou a babá quase fora de si, mas tudo o que ela podia fazer era continuar correndo assim que colocou a princesa de pé novamente.

'Quem está rindo de mim?' disse a princesa, tentando conter seus soluços e correndo rápido demais para seus joelhos machucados.

'Ninguém, criança', disse a babá, quase com raiva.

Mas naquele instante veio uma explosão de risadinhas grosseiras de algum lugar próximo, e uma voz rouca e indistinta que parecia dizer: 'Mentiras! Mentiras! Mentiras!'

'Oh!' exclamou a babá com um suspiro que quase foi um grito, e continuou correndo mais rápido do que nunca.

'Babá! Lootie! Eu não consigo correr mais. Por favor, vamos andar um pouco.'

'O que eu devo fazer?' disse a babá. 'Aqui, eu vou te carregar.'

Ela a pegou, mas achou-a muito pesada para correr, e teve que colocá-la no chão novamente. Então ela olhou ao redor desesperada, deu um grande grito e disse:

'Nós pegamos o caminho errado em algum lugar, e eu não sei onde estamos. Estamos perdidas, perdidas!'

O terror em que ela se encontrava a tinha completamente confundido. Era verdade que elas tinham perdido o caminho. Estavam correndo em direção a um pequeno vale onde não se via nenhuma casa.

Agora, Irene não sabia qual era o motivo para o terror de sua babá, pois os criados tinham ordens rigorosas para nunca mencionar os goblins para ela, mas era muito perturbador vê-la tão assustada. No entanto, antes que ela tivesse tempo de ficar totalmente alarmada como a babá, ouviu o som de um assobio, e isso a animou. Logo depois, viu um menino subindo pela estrada do vale para encontrá-las. Ele era o assobiador; mas antes de se encontrarem, seu assobio mudou para canto. E isto é mais ou menos o que ele cantou:


'Tling! trum! pum!

Vão os martelos soar!

Bate e vira e fura!

Zumbir e bufar e rugir!

Assim nós fendemos as rochas,

Forçamos as fechaduras dos goblins.—

Veja o minério brilhante!

Um, dois, três—

Brilhante como o ouro pode ser!

Quatro, cinco, seis—

Pás, enxadas, picaretas!

Sete, oito, nove—

Acenda sua lâmpada na minha.

Dez, onze, doze—

Segure a alça frouxamente.

Nós somos os alegres meninos mineiros,

Façam os goblins ficarem em silêncio.'


'Eu gostaria que VOCÊ calasse a boca', disse a babá rude, pois a simples palavra GOBLIN naquele momento e naquele lugar a fazia tremer. Ela achava que desafiá-los daquela maneira certamente atrairia os goblins para perto delas. Mas, quer o menino a tenha ouvido ou não, ele não parou de cantar.


'Treze, catorze, quinze—