A Trindade - Livro I

02.janeiro.2024


PRÓLOGO

AO SENHOR MAIS ABENÇOADO E AO MUITO ESTIMADO IRMÃO E SACERDOTE, O PAPA AURÉLIO, AUGUSTINHO, SAÚDA EM CRISTO.

Os livros sobre a Trindade, que iniciei quando jovem, concluí quando idoso. De fato, eu havia negligenciado esta obra após descobrir que meus manuscritos foram perdidos ou roubados antes de eu concluí-los e, ao reconsiderar minha disposição original, decidi poli-los. Pois não havia decidido publicá-los individualmente, mas todos juntos, uma vez que, à medida que avançava na investigação, os subsequentes estavam ligados aos anteriores. Portanto, uma vez que minha intenção original não pôde ser cumprida por meio deles (aqueles que poderiam ter chegado a alguns deles antes que eu desejasse), interrompi a ditadura, pensando em expressar isso mesmo em algumas de minhas escritas para que soubessem, aqueles que pudessem, que esses livros não foram publicados por mim, mas foram retirados antes que parecessem dignos de publicação por mim. No entanto, compelido pela veemente solicitação de muitos irmãos, especialmente por tua ordem, cuidei de concluir esta obra tão laboriosa, com a ajuda do Senhor, e enviei os volumes corrigidos, não como eu queria, mas conforme pude. Dessa forma, eles não difeririam muito daqueles que foram roubados e já estavam nas mãos das pessoas. Enviei para a tua veneração, através de nosso querido filho, o diácono, e permiti que qualquer pessoa os ouça, leia e copie. Se minha intenção pudesse ser preservada, esses livros, mesmo tendo as mesmas ideias, teriam sido muito mais claros e explicativos, conforme a dificuldade e nossa capacidade para explicar coisas tão profundas permitissem. Alguns, no entanto, têm os quatro ou até mesmo cinco primeiros sem os prefácios e o décimo segundo sem a parte final, que não é pequena. Mas, se eles tomarem conhecimento desta edição, com certeza corrigirão tudo, se quiserem e puderem. Solicito, de fato, que esta carta seja anexada, embora separada, ao início desses mesmos livros. Ore por mim.


LIVRO PRIMEIRO

Capítulo 1

1.Lendo o que discutiremos sobre a Trindade, é necessário primeiro entender que o nosso estilo está alerta contra as calúnias daqueles que, desdenhando a fé, são iludidos pelo início prematuro e pelo amor distorcido à razão. Alguns deles, que notaram coisas relacionadas a objetos corporais através da experiência sensorial ou que perceberam pela natureza da engenhosidade humana e diligência, tentam transferir para coisas incorpóreas e espirituais, pensando poder medir e opinar sobre elas a partir dessas observações. Outros, por sua vez, sentem sobre Deus de acordo com a natureza ou afeto da mente humana, e, ao debater sobre Deus, estabelecem regras distorcidas e enganosas em seu discurso. Há também um outro tipo de pessoas, aqueles que tentam transcender toda a criação, que certamente é mutável, para elevar sua intenção à substância inalterável que é Deus. No entanto, sobrecarregados pelo fardo da mortalidade, desejam parecer conhecer o que não sabem e, devido ao ônus de sua mortalidade, são audaciosos ao afirmar presunçosamente suas opiniões, interrompendo assim o caminho de entendimento para si mesmos. Preferem escolher não corrigir sua opinião errada, em vez de mudar sua defesa. Este, de fato, é o mal de todos os três tipos que mencionei: aqueles que compreendem Deus de acordo com o corpo, aqueles que o compreendem de acordo com a criatura espiritual, como a alma, e aqueles que, mesmo não compreendendo de acordo com o corpo ou a criatura espiritual, ainda assim mantêm falsas concepções sobre Deus, sendo assim ainda mais distantes da verdade, pois aquilo que compreendem não se encontra nem no corpo nem no espírito criado e condicionado, nem mesmo no próprio Criador. Aquele que imagina, por exemplo, que Deus é branco ou vermelho, está enganado; no entanto, essas características são encontradas no corpo. Novamente, aquele que imagina Deus ora esquecendo, ora lembrando, ou algo do tipo, ainda está no erro; no entanto, essas características são encontradas na mente. Aqueles que pensam que a potência de Deus é tal que Ele Se gerou a Si mesmo estão ainda mais errados, pois Deus não é assim, nem espiritual nem corporalmente. Nenhuma coisa, de fato, é capaz de gerar a si mesma para existir.

2. Para purificar a mente humana dessas falsidades, a Sagrada Escritura, adaptada aos pequeninos, não evitou usar palavras de nenhum tipo de coisa, das quais o nosso entendimento, como que alimentado, pudesse gradualmente ascender para coisas divinas e sublimes. Pois utilizou palavras retiradas de coisas corporais ao falar de Deus, como quando diz: "Protege-me sob a sombra de Tuas asas". E sobre a criatura espiritual, transferiu muitas coisas para significar aquilo que não era assim, mas que deveria ser dito assim, como: "Eu sou um Deus zeloso" e "Arrependo-me de ter feito o homem". No entanto, ela não usou palavras para coisas que não existem, com as quais poderia figurar expressões ou obscurecer enigmas. Assim, os que são separados da verdade pelo terceiro tipo de erro, ao suspeitar que algo não pode ser encontrado em Deus nem em Si mesmo nem em nenhuma criatura, desaparecem mais perigosamente e inutilmente. Pois a Sagrada Escritura geralmente forma, como se fossem brinquedos infantis, entretenimentos para os fracos para que, abandonando as coisas superiores e inferiores, os passos de suas mentes se movam, em seu próprio ritmo, em direção ao buscamento do mais alto. Quanto às coisas que são ditas propriamente sobre Deus, que não são encontradas em nenhuma criatura, a Sagrada Escritura raramente as menciona, como o que foi dito a Moisés: "Eu sou o que sou" e "Aquele que é me enviou a vocês". Pois quando se diz que algo existe de alguma forma tanto no corpo quanto na alma, se não quiser ser entendido de uma maneira própria, certamente não diria isso. E o que o apóstolo diz: "Aquele que sozinho possui a imortalidade". Pois, embora a alma seja de alguma forma imortal e exista, ele não diria "sozinho possui" a menos que a verdadeira imortalidade seja a imutabilidade, que nenhuma criatura pode possuir, pois pertence apenas ao Criador. Isto é o que Tiago diz: "Toda dádiva boa e todo dom perfeito vêm de cima, descendo do Pai das luzes, com quem não há mudança nem sombra de variação". E Davi também: "Tu mudarás essas coisas, e elas mudarão; mas Tu és sempre o mesmo".

3. Portanto, é difícil contemplar e compreender plenamente a substância de Deus, que permanece imutável sem nenhuma mudança em Si mesma, e que, sem nenhum movimento temporal, cria coisas mutáveis. É necessário, então, purificar a nossa mente para que essa realidade inefável possa ser vista de maneira inefável; estamos nutridos pela fé que ainda não possuímos, e somos conduzidos por caminhos mais toleráveis para nos tornarmos aptos e habilidosos para compreender isso. Por isso, o apóstolo, em Cristo, diz que existem todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento escondidos. Contudo, mesmo que já estejamos renascidos pela Sua graça, ainda somos carnais e animais, sendo como pequeninos em Cristo. Ele nos elogia não pela divina virtude, na qual é igual ao Pai, mas pela nossa fraqueza humana, pela qual Ele foi crucificado. Pois ele diz: "Não julguei ter conhecimento de algo entre vós, exceto Jesus Cristo e Ele crucificado". Em seguida, ele continua dizendo: "E eu estive entre vós com fraqueza, com medo e tremor". E um pouco depois ele diz a eles: "Eu, irmãos, não pude falar convosco como espirituais, mas como carnais. Como a pequeninos em Cristo, dei-vos leite para beber, não alimento; pois ainda não podíeis, nem agora podeis. Quando isso é dito, alguns ficam irritados e consideram isso como uma afronta, preferindo muitas vezes acreditar que aqueles que ouvem isso não têm o que dizer do que admitir que não conseguem entender o que foi dito. E, às vezes, quando apresentamos a eles uma explicação, não a que eles procuram quando questionam sobre Deus, pois eles não conseguem compreendê-la, e talvez nem nós possamos apreender ou expressar, mas sim uma que demonstre quão incapazes são e quão inadequados são para perceber o que exigem. Mas, como não ouvem o que desejam, acham que estamos agindo astutamente para ocultar nossa inexperiência ou maliciosamente invejando-lhes o conhecimento, e assim, indignados e perturbados, se afastam.


Capítulo 2

4. Portanto, com a ajuda de nosso Senhor Deus, empreenderemos fornecer a explicação que eles demandam, na medida do possível, sobre o fato de que a Trindade é o único e verdadeiro Deus, e como corretamente o Pai, o Filho e o Espírito Santo são ditos serem de uma única e mesma substância ou essência, devendo ser acreditado e compreendido. Não para que sejam ludibriados por nossas desculpas, mas para que experimentem, na realidade, que é o sumo bem que se percebe nas mentes mais purificadas, e que, por conseguinte, não pode ser compreendido e abraçado por si mesmo, pois a acuidade da mente humana não é fixada na tão excelente luz, exceto através da justiça alimentada pela fé. Mas, em primeiro lugar, é necessário demonstrar, de acordo com a autoridade das Sagradas Escrituras, se a fé se deve ter dessa maneira. Então, se Deus quiser e ajudar esses tagarelas, mais elevados do que capazes e, portanto, mais propensos a uma doença perigosa, talvez os sirvamos de tal forma que encontrem algo pelo qual não possam duvidar, e assim, lamentem-se mais sobre suas próprias mentes do que sobre a verdade em si ou sobre nossas discussões. E, dessa forma, se algo existe neles em relação a Deus, seja amor ou temor, que voltem ao início da fé e da ordem, percebendo quão salutarmente a medicina dos fiéis foi estabelecida na Santa Igreja para curar mentes frágeis e levá-las à compreensão da verdade imutável, evitando que a temeridade desordenada as precipite na opinião nociva da falsidade. E não me envergonharei, se houver dúvida, de procurar; nem me envergonharei, se houver erro, de aprender.


Capítulo 3

5. Portanto, quem quer que leia isto e esteja certo ao mesmo tempo, que prossiga comigo; onde hesitar, que busque comigo; onde reconhecer seu erro, que retorne a mim; onde encontrar erro em meu raciocínio, que me corrija. Assim, entremos juntos no caminho do amor, buscando aquele de quem foi dito: "Buscai sempre o seu rosto". E este é o piedoso e seguro propósito que firmo diante do nosso Senhor Deus com todos aqueles que leem o que escrevo, especialmente nas minhas obras onde se busca a unidade da Trindade, do Pai, do Filho e do Espírito Santo, pois em nenhum lugar se erra de maneira mais perigosa, procura algo mais laborioso ou encontra algo mais frutífero. Portanto, quem ler e disser: 'Isso não foi bem dito porque eu não entendo', está criticando minha expressão, não a fé; e talvez pudesse ter sido dito de maneira mais clara. No entanto, nenhum ser humano falou de tal maneira que fosse compreendido por todos em todas as coisas. Portanto, que aquele a quem este discurso desagrada veja se entende outros versados nessas questões, não me entendendo; e, se for o caso, que ponha de lado meu livro ou até mesmo, se desejar, o rejeite, e dedique seu tempo àqueles que entende. No entanto, que não pense que eu deveria ter permanecido em silêncio, pois não pude expressar-me tão clara e prontamente quanto aqueles que ele entende. Pois nem tudo o que é escrito por todos chega às mãos de todos, e é possível que alguns que também poderiam entender isso em nosso trabalho não encontrem livros mais claros e, pelo menos, tropeçem nos nossos. Portanto, é útil que muitos abordem as coisas de maneira diferente, não em fé diferente, mesmo sobre as mesmas questões, para que a verdade chegue a muitos de diversas maneiras, a uns assim, a outros de outra forma. Mas, se aquele que se queixa de não ter entendido algo nunca pôde entender diligentemente e agudamente sobre tais questões, que ele leve consigo votos e esforços para progredir, não com queixas e insultos contra mim para que eu me cale. Mas quem, ao ler isso, diz: 'Entendo o que foi dito, mas não foi dito corretamente', que afirme, se quiser, sua opinião e refute a minha, se puder. Se o fizer com caridade e verdade, e também cuidar para que eu (se eu permanecer nesta vida) seja informado, colherei o mais abundante fruto do meu trabalho. Mas, se ele não puder fazer isso por mim, que o faça para aqueles para quem ele pode. Contudo, eu meditarei na lei do Senhor, se não de dia e de noite, pelo menos nas partes do tempo que posso, e vincularei minhas meditações com a caneta, esperando na misericórdia de Deus que me fará perseverar em todas as verdades que são certas para mim; e, se eu pensar de outra forma, Ele mesmo me revelará, seja por inspirações e advertências secretas, seja por declarações claras, seja por conversas fraternas. Isso eu peço e este é meu desejo e confio isso a Ele, que é suficientemente adequado para guardar o que deu e cumprir o que prometeu.

6. Eu penso que alguns, em certos lugares dos meus livros, acharão que eu senti o que não senti ou não senti o que senti. Aqueles que me atribuírem erro nisso devem saber que, se, ao me seguirem, se desviaram para algum erro, durante certos trechos densos e obscuros, é porque ninguém deu, de maneira correta, tantos e variados erros de hereges, já que todos eles tentam defender suas falsas e enganosas opiniões a partir dessas mesmas escrituras divinas? A lei de Cristo, ou seja, o amor, me adverte claramente e ordena com o mais doce comando, que, se as pessoas pensam que percebi algo falso nos meus livros que eu não percebi, e a mesma falsidade desagrada a um e agrada a outro, prefiro ser repreendido pelo censurador da falsidade do que ser elogiado por aquele que, embora eu não tenha percebido isso, ainda assim condena corretamente o próprio erro; pois pela verdade, nem a sentença que a verdade censura é louvável. Portanto, em nome do Senhor, avancemos para a tarefa que assumimos.


Capítulo 4

7. Todos aqueles que pude ler e que escreveram antes de mim sobre a Trindade, que é Deus, intencionaram, de acordo com as Escrituras, ensinar que o Pai, o Filho e o Espírito Santo, com uma inseparável igualdade, insinuam a unidade divina, e, portanto, não são três deuses, mas um só Deus. Embora o Pai gere o Filho, e, portanto, o Filho não seja o Pai; e o Filho seja gerado pelo Pai, e, portanto, o Pai não seja o Filho; e o Espírito Santo não seja nem o Pai nem o Filho, mas apenas o Espírito do Pai e do Filho, coeterno e pertencente à unidade da Trindade. No entanto, eles não afirmam que essa mesma Trindade tenha nascido da Virgem Maria e tenha sido crucificada e sepultada sob Pôncio Pilatos, ressuscitado no terceiro dia e subido aos céus, mas apenas o Filho. Eles também não acreditam que essa mesma Trindade desceu na forma de uma pomba sobre Jesus batizado, ou no dia de Pentecostes após a ascensão do Senhor, com um som vindo do céu como um vento impetuoso e línguas divididas como fogo, mas apenas o Espírito Santo. Eles não afirmam que essa mesma Trindade disse do céu: "Tu és meu Filho", seja quando foi batizado por João ou no monte quando estavam lá os três discípulos, ou quando a voz ressoou dizendo: "Eu o glorifiquei e o glorificarei novamente", mas apenas que a voz do Pai foi dirigida ao Filho, embora o Pai, o Filho e o Espírito Santo, sendo inseparáveis, operem inseparavelmente. Essa é também a minha fé quando esta é a fé católica.


Capítulo 5

8. No entanto, alguns se perturbam ao ouvir sobre Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, e ainda assim essa Trindade não é composta por três deuses, mas é um único Deus. Eles buscam entender como isso é possível, especialmente quando se afirma que a Trindade opera inseparavelmente em todas as coisas que Deus opera, e, no entanto, uma voz do Pai foi ouvida, que não é a voz do Filho; que Ele nasceu na carne, sofreu, ressuscitou e ascendeu, mas apenas como o Filho; e que Ele veio na forma de uma pomba, mas apenas como o Espírito Santo. Eles querem entender como aquela voz que pertence apenas ao Pai fez a Trindade, e como aquela carne na qual apenas o Filho, gerado da Virgem, foi criada pela mesma Trindade, e como aquela forma de pomba na qual apenas o Espírito Santo apareceu foi operada pela mesma Trindade. Caso contrário, a Trindade não opera inseparavelmente, mas o Pai faz algo diferente, o Filho faz algo diferente, o Espírito Santo faz algo diferente; ou se eles fazem algumas coisas juntos e outras separadamente, então não é mais uma Trindade inseparável. Também os intriga como o Espírito Santo está na Trindade, já que nem o Pai, nem o Filho, nem ambos o geraram, embora seja o Espírito do Pai e do Filho. Portanto, como eles buscam essas questões, e considerando que para nós é tedioso, se nossa fraqueza tem algo de dom de Deus, explicaremos a eles o melhor que pudermos, para que não tenhamos uma jornada cheia de inveja. Se dissermos que nunca pensamos nessas coisas, estaríamos mentindo; se admitirmos que essas questões habitam nossos pensamentos, pois somos arrebatados pelo amor em busca da verdade, eles pedem justamente por caridade que lhes digamos o que pudemos conceber a partir disso. Não porque eu já tenha recebido ou já seja perfeito (pois se o apóstolo Paulo, quanto mais eu, que me considero muito abaixo de seus pés, não me acho perfeito?), mas de acordo com minha capacidade, se esqueço o que está para trás e me estendo para frente, seguindo a intenção em direção ao prêmio da chamada celestial, quanta dessa jornada eu percorri e a que ponto cheguei, de onde me falta para abrir o caminho desejado por aqueles que desejam que eu os sirva com amor livre. Deus, porém, permitirá que eu, servindo-os com o que leem, também progrida, desejando responder às suas perguntas, também encontrarei o que procuro. Assim, aceitei, por ordem e auxílio do nosso Senhor Deus, discutir essas questões não com autoridade, mas buscando conhecê-las com piedade ao discutir.


Capítulo 6

9. Aqueles que afirmam que nosso Senhor Jesus Cristo não é Deus, ou não é verdadeiro Deus, ou não é um e o mesmo Deus com o Pai, ou que não é verdadeiramente imortal, pois é mutável, são claramente refutados pelas mais evidentes testemunhas divinas e pela voz coerente dos divinos escritos. Assim, temos as palavras: "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus." É evidente que entendemos o Verbo de Deus como o Filho único de Deus, sobre o qual é dito mais tarde: "E o Verbo se fez carne", referindo-se ao nascimento de Sua encarnação que ocorreu no tempo a partir da Virgem. Nessa passagem, Ele declara não apenas ser Deus, mas também ser da mesma substância do Pai, porque, depois de dizer: "E o Verbo era Deus", Ele afirma: "Este estava no princípio com Deus; todas as coisas foram feitas por Ele, e sem Ele nada do que foi feito foi feito." Pois Ele não diz "exceto aquelas que foram feitas", ou seja, toda a criação. Portanto, fica claro que Ele mesmo não foi feito por meio do qual todas as coisas foram feitas. Se Ele não foi feito, Ele não é uma criatura; se, no entanto, Ele não é uma criatura, então Ele é da mesma substância que o Pai. Pois toda substância que não é Deus é uma criatura, e aquilo que é criatura não é Deus. E se Ele não é o Filho da mesma substância que o Pai, então Ele é feito; se Ele é uma substância feita, não todas as coisas foram feitas por Ele; mas se todas as coisas foram feitas por Ele, então Ele é da mesma substância única do Pai. Portanto, Ele é não apenas Deus, mas verdadeiro Deus. João também expressa isso claramente em sua epístola: "Sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu entendimento, para que conheçamos o verdadeiro, e estejamos no verdadeiro, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna.

10. Daqui decorre consequentemente que o apóstolo Paulo não falou apenas sobre o Pai: "Aquele que só possui a imortalidade", mas também sobre o único e verdadeiro Deus, que é a Trindade em si. Pois a própria vida eterna não é mortal de acordo com nenhuma mudança; e assim, o Filho de Deus, porque é a vida eterna, é entendido como estando com o Pai, quando é dito: "Aquele que só possui a imortalidade". Pois participando da Sua vida eterna, também nos tornamos imortais de acordo com a nossa medida. No entanto, é diferente a vida eterna da qual nos tornamos participantes e nós, que viveremos eternamente por meio dessa participação. Se Ele tivesse dito: "A quem o bendito Pai e o único poderoso, Rei dos reis e Senhor dos senhores, que sozinho possui a imortalidade, manifestou em Seus próprios tempos", não seria necessário entender separadamente o Filho. Pois não porque o próprio Filho, em outra passagem, falando pela voz da sabedoria (pois Ele é a sabedoria de Deus), diz: "Eu circulei sozinho a órbita do céu", isso O separa do Pai. Portanto, quanto mais não é necessário entender que o que foi dito: "Aquele que só possui a imortalidade", se aplica apenas ao Pai além do Filho, já que foi dito: "Para observar o mandamento sem mancha, irrepreensível, até a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, que o bendito e único poderoso, Rei dos reis e Senhor dos senhores, que só possui a imortalidade e habita em luz inacessível, a quem nenhum homem viu nem pode ver; a quem seja a honra e a glória para todo o sempre." Nestas palavras, nem o Pai é propriamente mencionado, nem o Filho, nem o Espírito Santo, mas o bendito e único poderoso, Rei dos reis e Senhor dos senhores, que é o único e verdadeiro Deus, a própria Trindade.

11. A menos que as seguintes palavras perturbem este entendimento: "A quem ninguém viu, nem pode ver", quando também se entende que isso se refere a Cristo em Sua divindade, que os judeus não viram, embora tenham visto Sua carne e O tenham crucificado. No entanto, a divindade não pode ser vista com visão humana de forma alguma, mas é vista por meio da visão daqueles que já não são apenas homens, mas algo mais. Assim, o Deus Trino é corretamente entendido como o bendito e único poderoso que revela a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo em Seus próprios tempos. Pois foi dito: "Ele sozinho possui a imortalidade", assim como foi dito: "Ele faz maravilhas sozinho". Gostaria de saber de quem eles aceitam o que foi dito. Se apenas do Pai, como, então, é verdadeiro o que o Filho mesmo diz: "Pois o que o Pai faz, o Filho também faz da mesma maneira"? Há algo mais maravilhoso entre as maravilhas do que ressuscitar e dar vida aos mortos? No entanto, o Filho diz: "Assim como o Pai ressuscita os mortos e os vivifica, assim também o Filho vivifica quem Ele quer." Portanto, como somente o Pai faz maravilhas, quando estas palavras não permitem entender apenas o Pai ou apenas o Filho, mas certamente Deus, único e verdadeiro, ou seja, o Pai, o Filho e o Espírito Santo?

12. O apóstolo também diz: "Para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, por meio de quem são todas as coisas, e por meio de quem vivemos." Quem duvidaria que ele se refere a todas as coisas "que foram criadas", como João disse: "Todas as coisas foram feitas por Ele"? Portanto, pergunto, a quem ele se refere em outra passagem: "Pois dele, por meio dele e para ele são todas as coisas; a ele seja a glória para todo o sempre." Se, de fato, a cada pessoa, conforme suas palavras, são atribuídas distintamente diferentes coisas - "dele" ao Pai, "por meio dele" ao Filho, "nele" ao Espírito Santo - é evidente que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são um só Deus, quando ele introduz singularmente: "A ele seja a glória para todo o sempre". Pois de onde ele começou esse sentido? Ele não diz: "Ó profundidade das riquezas da sabedoria e do conhecimento do Pai, do Filho ou do Espírito Santo", mas da sabedoria e do conhecimento de Deus! "Ó profundidade dos juízos dele, e insondáveis são os seus caminhos! Pois quem conheceu o sentido do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro? Ou quem primeiro deu a Ele, e será recompensado por Ele? Pois dele, por meio dele e para ele são todas as coisas; a ele seja a glória para todo o sempre. Amém." No entanto, se eles desejam entender isso apenas em relação ao Pai, como, então, todas as coisas são dele, como é dito aqui, e todas as coisas são por meio do Filho, como em Coríntios, onde é dito: "E um só Senhor, Jesus Cristo, por meio de quem são todas as coisas", e como no Evangelho de João: "Todas as coisas foram feitas por meio dele"? Se, de fato, algumas são por meio do Pai e outras por meio do Filho, então não todas são por meio do Pai, nem todas por meio do Filho. No entanto, se todas são por meio do Pai e todas por meio do Filho, então as mesmas coisas são por meio do Pai e por meio do Filho. Portanto, o Filho é igual ao Pai, e a operação é inseparável entre o Pai e o Filho. Pois se o Pai fez o Filho, que o Filho não fez a si mesmo, então nem todas as coisas foram feitas por meio do Filho. Mas todas as coisas foram feitas por meio do Filho. Portanto, Ele não foi feito para que todas as coisas fossem feitas com o Pai. No entanto, nem mesmo o próprio Apóstolo ficou em silêncio sobre a Palavra e expressou claramente, dizendo: "Que, sendo na forma de Deus, não considerou a igualdade com Deus como algo a ser agarrado", chamando aqui propriamente Deus de Pai, como em outro lugar: "Mas o cabeça de Cristo é Deus".

13. Da mesma forma, foram reunidas evidências sobre o Espírito Santo que aqueles que discutiram antes de nós utilizaram abundantemente, porque Ele é Deus por Si mesmo e não uma criatura. Se Ele não é uma criatura, então não apenas Deus (pois até os seres humanos são chamados de deuses), mas também verdadeiramente Deus. Portanto, Ele é totalmente igual ao Pai e ao Filho, consubstancial e coeterno na unidade da Trindade. Especialmente claro é o fato de que o Espírito Santo não é uma criatura, pois somos ordenados a não servir à criatura, mas ao Criador, não da mesma maneira como somos ordenados a servir uns aos outros por meio do amor, que em grego é chamado de *doulevein, mas da maneira como somente se serve a Deus, o que em grego é chamado de *latrevein. Por isso, os idólatras são chamados aqueles que oferecem a mesma adoração às imagens que é devida a Deus. Segundo esse serviço, foi dito: "Adorarás o Senhor teu Deus e somente a Ele servirás." Pois isso é encontrado de maneira mais distinta na escritura grega, pois ela possui *latreuseis. Se, portanto, somos proibidos de servir à criatura com tal serviço, uma vez que foi dito: "Adorarás o Senhor teu Deus e somente a Ele servirás" – daí o apóstolo detestar aqueles que adoraram e serviram à criatura em vez do Criador –, certamente o Espírito Santo não é uma criatura, a quem tal serviço é prestado por todos os santos, conforme o apóstolo diz: "Pois nós somos a circuncisão, servindo ao Espírito de Deus", o que em grego é latrevontes. Pois muitos manuscritos latinos também têm essa leitura, que servimos ao Espírito de Deus; e todos ou quase todos os manuscritos gregos têm isso. Em alguns manuscritos latinos, no entanto, encontramos não "servimos ao Espírito de Deus", mas "servimos ao Espírito Santo". No entanto, aqueles que erram nisso e diminuem a autoridade mais grave, por acaso também encontram variação nos manuscritos aqui: "Não sabeis que os vossos corpos são templo do Espírito Santo que tendes de Deus?" No entanto, o que é mais insensato e mais sacrílego do que alguém se atrever a dizer que os membros de Cristo são templo de uma criatura inferior a Cristo? Pois em outro lugar ele diz: "Os vossos corpos são membros de Cristo." Se, no entanto, os membros que são de Cristo são o templo do Espírito Santo, o Espírito Santo não é uma criatura, pois, ao oferecermos nosso corpo como templo, é necessário que prestemos a Ele o serviço que só deve ser prestado a Deus, chamado em grego de latreia. Portanto, ele continua dizendo: "Glorificai, portanto, a Deus em vosso corpo".


Capítulo 7

14. Por meio de testemunhos divinos como esses e outros semelhantes, nos quais, como mencionei, aqueles que nos precederam abundantemente refutaram tais calúnias ou erros dos hereges, a unidade da nossa fé e a igualdade da Trindade são insinuadas. No entanto, devido à encarnação da Palavra de Deus, realizada para nossa salvação, a fim de que o homem Cristo Jesus fosse o mediador entre Deus e os homens, muitas coisas nas Sagradas Escrituras são ditas de forma a significar claramente o Pai como maior que o Filho ou a mostrá-lo dessa maneira. Alguns, menos cuidadosos ao examinar ou considerar a totalidade das Escrituras, erraram ao tentar transferir o que foi dito sobre Cristo Jesus enquanto homem para Sua substância que era eterna antes da encarnação e é eterna. Esses alegam que o Filho é menor que o Pai, citando a declaração do Senhor: "O Pai é maior do que eu." No entanto, a verdade mostra que, segundo esse modo, Ele próprio também se tornou um Filho menor a Si mesmo. Pois como Ele não Se tornou a Si mesmo menor ao assumir a forma de servo? Pois Ele não a assumiu de tal maneira que perdesse a forma de Deus, na qual era igual ao Pai. Se, portanto, a forma de servo foi assumida sem perder a forma de Deus, uma vez que Ele é o Filho Unigênito de Deus, tanto na forma de Deus como na de servo, sendo igual ao Pai na forma de Deus, e sendo o mediador entre Deus e os homens como homem Cristo Jesus na forma de servo, quem não entende que, na forma de Deus, Ele também é maior a Si mesmo, enquanto, na forma de servo, Ele também é menor a Si mesmo? Portanto, a Escritura não sem razão afirma ambas as coisas, que o Filho é igual ao Pai e que o Pai é maior que o Filho. Pois isso é entendido devido à forma de Deus e à forma de servo, sem qualquer confusão. E essa regra para resolver essa questão é especialmente destacada para nós em um trecho da epístola do apóstolo Paulo, onde essa distinção é claramente apresentada. Pois ele diz: "Que, embora sendo de natureza Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens; e, sendo encontrado em aparência como homem." Portanto, o Filho de Deus é igual ao Pai pela natureza de Deus, mas menor na forma. Pois na forma de servo que Ele assumiu, Ele é menor que o Pai; mas, na forma de Deus, na qual Ele era igual antes de assumi-la, Ele é igual ao Pai. Na forma de Deus, Ele é a Palavra pela qual todas as coisas foram feitas; na forma de servo, Ele foi feito da mulher, feito sob a lei para redimir aqueles que estavam sob a lei. Portanto, na forma de Deus, Ele criou o homem; na forma de servo, Ele foi feito homem. Pois, se apenas o Pai, sem o Filho, tivesse feito o homem, não teria sido escrito: "Façamos o homem à nossa imagem e semelhança". Portanto, porque Ele, ao receber a forma de Deus, é ambos Deus e homem; mas Ele é Deus por causa de quem recebeu Deus, e Ele é homem por causa do homem que recebeu. Pois essa recepção não transformou ou mudou um deles no outro; pois a divindade não foi transformada em criatura para deixar de ser divindade, nem a criatura em divindade para deixar de ser criatura.


Capítulo 8

15. Quanto ao que o mesmo apóstolo diz: "Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então o próprio Filho também se sujeitará àquele que lhe sujeitou todas as coisas", ou isso foi dito para evitar que alguém pensasse que a condição de Cristo, que foi recebido de uma criatura humana, seria posteriormente transformada na própria divindade ou, para expressar com mais clareza, na própria deidade, que não é uma criatura, mas sim a incorpórea, imutável, consubstancial e coeterna unidade trinitária. Ou, se alguém argumenta, como alguns entenderam, que foi dito desta forma: "Então o próprio Filho também se sujeitará àquele que lhe sujeitou todas as coisas", acreditando que essa submissão, mudança e transformação ocorrerão na substância ou essência do Criador, isto é, que a substância da criatura se tornará a substância do Criador, certamente ele concede que isso ainda não aconteceu, pois o Senhor disse: "O Pai é maior do que eu". Ele disse isso não apenas antes de subir ao céu, mas também antes de sofrer e ressuscitar dos mortos. Aqueles que pensam que a natureza humana nele foi transformada e convertida na substância da deidade e entendem assim: "Então o próprio Filho também se sujeitará àquele que lhe sujeitou todas as coisas", como se dissesse: 'Então, também o Filho do homem e a natureza humana assumida pela Palavra de Deus serão transformados na natureza daquele que lhe sujeitou todas as coisas', eles acreditam que isso acontecerá depois que ele entregar o reino a Deus, o Pai, após o dia do julgamento. E, assim, segundo essa opinião, o Pai ainda será maior do que a forma do servo que foi recebida da Virgem. Se alguém afirma que Jesus Cristo, o homem, já foi transformado na substância de Deus, certamente não pode negar que a natureza humana ainda estava presente quando Ele dizia antes da paixão: "O Pai é maior do que eu". Portanto, não há hesitação em entender, segundo isso, que a forma do servo é maior que o Pai, ao qual, na forma de Deus, o Filho é igual. Ninguém deve interpretar, ao ouvir o apóstolo dizer: "Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas", que o Pai sujeitou todas as coisas ao Filho, de modo a não pensar que o Filho também sujeitou todas as coisas a Si mesmo. Pois a operação do Pai e do Filho é inseparável. De outra forma, nem o próprio Pai sujeitou todas as coisas a Si mesmo, mas o Filho sujeitou a quem lhe entregou o reino e aniquilou todo principado, poder e virtude. Pois estas palavras referem-se ao Filho: "Quando entregar o reino a Deus e ao Pai, quando aniquilar todo principado, todo poder e virtude". Pois foi Ele quem sujeitou, que aniquilou.

16. E não pensemos que Cristo entregará o reino a Deus e ao Pai para que Ele mesmo seja privado dele. Alguns, de fala vã, acreditaram nisso. Quando é dito: "Entregará o reino a Deus e ao Pai", Ele não é separado, pois Ele é um com o Pai. Mas a palavra "donec" (até) engana os negligentes das Escrituras Divinas e os ávidos por contendas, pois a passagem continua: "Porque é necessário que Ele reine até que tenha posto todos os inimigos debaixo de seus pés", como se, depois de tê-los posto, Ele não fosse mais reinar. Eles não entendem que a frase é usada da mesma forma que esta: "Seu coração é estabelecido, não será abalado até que veja sobre seus inimigos". Pois Ele não será abalado depois de ver. Então, o que significa "Entregará o reino a Deus e ao Pai", como se Deus e o Pai não tivessem agora o reino? Mas é porque Ele levará todos os justos, que agora vivem pela fé sob o reinado do Mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus, à visão face a face da glória de Deus. Da mesma forma como Ele diz: "Todas as coisas me foram entregues por meu Pai, e ninguém conhece o Filho senão o Pai, e ninguém conhece o Pai senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar", então o Pai será revelado pelo Filho quando Ele aniquilar todo principado, poder e virtude, ou seja, quando não houver mais necessidade da administração das semelhanças através dos principados, poderes e virtudes angelicais. A pessoa dessas entidades pode ser apropriadamente interpretada no Cântico dos Cânticos, quando se diz à noiva: "Faremos para você imagens de ouro com marcações de prata, até que o rei esteja em seu leito"; isto é, até que Cristo esteja em Seu retiro, pois nossa vida está escondida com Cristo em Deus. "Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então vocês também se manifestarão com Ele em glória." Antes que isso aconteça, vemos agora como que através de um espelho, de maneira enigmática, isto é, em semelhanças; mas então será face a face.

17. Pois essa contemplação nos promete o fim de todas as ações e a perfeição eterna das alegrias. Somos realmente filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que seremos. Sabemos que, quando Ele se manifestar, seremos semelhantes a Ele, pois o veremos como Ele é. Pois Ele disse a Seu servo Moisés: "Eu sou aquele que sou. E você dirá aos filhos de Israel: Aquele que é me enviou a vocês." Isso contemplaremos quando vivermos eternamente. Assim, diz: "E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste." Isso acontecerá quando o Senhor vier e iluminar as profundezas da escuridão, quando as trevas desta mortalidade e corrupção passarem. Então, será a manhã da nossa contemplação, da qual se diz no Salmo: "Pela manhã estarei na tua presença e contemplarei." Entendo que essa contemplação foi mencionada quando se diz: "Entregará o reino a Deus e ao Pai", ou seja, quando o Mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus, que agora reina sobre os justos que vivem pela fé, os conduzir à contemplação de Deus e do Pai. Se estou enganado aqui, que aquele que é mais sábio me corrija; para mim, não parece ser outra coisa. Pois não buscaremos outra coisa quando chegarmos àquela contemplação, que agora não é senão enquanto nossa alegria está na esperança. Mas a esperança que se vê não é esperança. Pois o que alguém vê, como pode esperar por isso? Mas, se esperamos o que não vemos, aguardamos pacientemente, enquanto o Rei está em seu leito. Então será o que está escrito: "Tu me encherás de alegria com a tua presença." Essa alegria não precisará de mais nada, pois nada mais será necessário. Pois o Pai se mostrará a nós, e isso será suficiente para nós. Isso foi bem entendido por Filipe quando disse: "Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta." Mas ele ainda não havia entendido que também poderia dizer isso da mesma maneira: "Senhor, mostra-nos a Ti, e isso nos basta." Para que ele pudesse entender isso, o Senhor lhe respondeu: "Estou há tanto tempo convosco, e não me conheceste, Filipe? Aquele que me viu, viu também o Pai." Mas, porque Ele queria que ele vivesse pela fé antes que pudesse ver isso, Filipe seguiu e disse: "Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? Enquanto estamos no corpo, peregrinamos longe do Senhor. Pois andamos pela fé, não pela visão. Pois a contemplação é a recompensa da fé, pela qual os corações são purificados pela fé, como está escrito: "Purificando os corações pela fé." E é provado que os corações são purificados por esta contemplação principalmente pela sentença: "Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus." E, como esta é a vida eterna, Deus diz nos Salmos: "Com comprimento de dias o satisfarei e lhe mostrarei a minha salvação." Portanto, quer ouçamos: 'Mostra-nos o Filho', quer ouçamos: 'Mostra-nos o Pai', é a mesma coisa, pois nenhum pode ser mostrado sem o outro. Eles são verdadeiramente um, como Ele diz: "Eu e o Pai somos um." Por fim, por causa dessa inseparabilidade, às vezes, ou o Pai ou o Filho é mencionado sozinho para nos encher de alegria com a Sua presença.

18. E daí não é separado o espírito de ambos, ou seja, do Pai e do Filho, o qual é propriamente chamado Espírito Santo, o Espírito da Verdade que o mundo não pode receber. Este é o cumprimento da nossa alegria, na qual não falta mais nada, desfrutar da Trindade de Deus, à imagem da qual fomos feitos. Por isso, às vezes, Ele fala do Espírito Santo como se Ele sozinho fosse suficiente para a nossa bem-aventurança; e, portanto, Ele sozinho é suficiente porque não pode ser separado do Pai e do Filho, assim como o Pai sozinho é suficiente porque não pode ser separado do Filho e do Espírito Santo, e o Filho só é suficiente porque não pode ser separado do Pai e do Espírito Santo. Pois o que Ele quer dizer quando diz: "Se me amais, guardai os meus mandamentos, e eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador para que esteja convosco para sempre, o Espírito da Verdade que o mundo não pode receber", isto é, os amantes do mundo? Pois o homem natural não percebe as coisas que são do Espírito de Deus. Mas ainda pode parecer que Ele disse isso porque o Filho sozinho não é suficiente. No entanto, nesse trecho, é dito sobre Ele como se Ele sozinho fosse completamente suficiente: "Quando vier o Espírito da Verdade, ele vos guiará em toda a verdade". Então, o Filho é separado daqui, como se Ele próprio não ensinasse toda a verdade, ou como se o Espírito Santo completasse o que o Filho não conseguiu ensinar adequadamente? Dizem então, se quiserem, que o Espírito Santo é maior que o Filho, como costumam dizer que Ele é menor. Ou porque não foi dito: "Ele sozinho" ou "Ninguém, senão Ele", vos ensinará toda a verdade, eles permitem que se acredite que o Filho também ensina com Ele? O apóstolo, portanto, separou o Filho do conhecimento dessas coisas de Deus quando disse: "Assim como as coisas de Deus, ninguém as conhece senão o Espírito de Deus!" para que esses perversos possam agora dizer que o Filho também não ensina as coisas de Deus, a não ser pelo Espírito Santo, como se o maior ensinasse o menor; ao qual o Filho atribuiu apenas tanto, dizendo: "Porque falei estas coisas a vós, a tristeza encheu o vosso coração". Mas eu digo a verdade: é útil para vós que eu vá; pois, se eu não for, o Consolador não virá a vós.


Capítulo 9

18a. Ele disse isso não por causa da desigualdade entre a Palavra de Deus e o Espírito Santo, mas como se a presença do Filho do Homem entre eles fosse um impedimento para a vinda daquele que não seria menor, pois Ele não se esvaziou de Si mesmo como o Filho, tomando a forma de servo. Portanto, era necessário que a forma de servo fosse removida de seus olhos, pois eles consideravam que Cristo era apenas o que viam. Daí também o que Ele diz: "Se me amásseis, certamente vos alegraríeis porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu", ou seja, é necessário que eu vá para o Pai porque, enquanto me vedes assim, e a partir disso, considerais-me menor que o Pai. Assim, ocupados com a criatura e a forma assumida, não compreendeis a igualdade que tenho com o Pai. Daí também isso: "Não me toques, pois ainda não subi para meu Pai". Pois o toque, como que pondo fim à concepção. Portanto, Ele não queria que houvesse um fim na atenção do coração a Ele, para que o que estava sendo visto não fosse considerado apenas isso. A ascensão ao Pai era ser visto da mesma forma que é igual ao Pai, de modo que lá seria o fim da visão que nos é suficiente. Às vezes, também é dito sobre o Filho sozinho que Ele é suficiente, e em Sua visão, toda a recompensa de nosso amor e desejo é prometida. Pois assim Ele diz: "Quem tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama. E quem me ama será amado por meu Pai; e eu o amarei e me revelarei a ele". Por acaso, porque Ele não disse: 'Eu o mostrarei e ao Pai', Ele separou o Pai? Mas porque é verdade: "Eu e o Pai somos um", quando o Pai é revelado, o Filho também é revelado, que está Nele; e quando o Filho é revelado, também o Pai é revelado, que está Nele. Portanto, assim como, quando Ele diz: "E me revelarei a ele mesmo", é entendido que Ele também revela o Pai, da mesma forma, naquilo que é dito: "Quando Ele entregar o reino a Deus e ao Pai", entende-se que Ele não o tira para Si. Pois quando Ele conduzirá os crentes à contemplação de Deus e do Pai, certamente os conduzirá à contemplação Dele, que disse: "E me revelarei a ele mesmo". E, portanto, consequentemente, quando Judas disse a Ele: "Senhor, como será que te manifestarás a nós e não a este mundo?", Jesus respondeu e disse a ele: "Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e nós viremos a ele e faremos morada com ele. Eis que Ele não só Se revela àquele que O ama, pois Ele vem até ele juntamente com o Pai e faz morada com ele.

19. Ou talvez alguém pense que o Espírito Santo será excluído desta habitação feita pelo Pai e pelo Filho para aqueles que O amam? Portanto, o que Ele disse anteriormente sobre o Espírito Santo - "O mundo não pode recebê-Lo, porque não O vê; vós O conheceis, porque Ele permanece convosco e está em vós" - não é separado desta habitação, pois é dito que Ele permanece convosco e está em vós. A menos que alguém seja tão absurdo a ponto de acreditar que, quando o Pai e o Filho vêm para fazer morada no Seu amado, o Espírito Santo se retirará e será dado como um lugar para os mais importantes. No entanto, a Escritura refuta esse pensamento; pois um pouco antes, Ele diz: "E eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre". Portanto, o Espírito Santo não se afastará quando o Pai e o Filho vierem, mas estará na mesma morada com eles para sempre, porque Ele não vem sem Eles, nem Eles vêm sem Ele. No entanto, por causa da insinuação das pessoas da Trindade, algumas coisas são ditas mencionando cada uma delas separadamente; no entanto, elas não são entendidas como separadas umas das outras, devido à unidade da mesma Trindade, à única substância e divindade do Pai, do Filho e do Espírito Santo.


Capítulo 10

20. Assim, nosso Senhor Jesus Cristo entregará o reino a Deus e ao Pai, não se separando d'Ele nem do Espírito Santo, pois Ele conduzirá os crentes à contemplação de Deus, onde está o fim de todas as boas ações, o descanso eterno e a alegria que não será retirada de nós. Isso é indicado quando Ele diz: "Ver-vos-ei novamente, e o vosso coração se alegrará, e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria". Maria pré-figurou essa alegria ao sentar-se aos pés do Senhor e se concentrar em Sua palavra, descansando de toda a ação e concentrando-se na verdade de acordo com uma certa forma que esta vida pode conter, embora prefigurasse o que acontecerá eternamente. Enquanto Marta, sua irmã, estava ocupada com ações necessárias, embora boas e úteis, ela descansava na palavra do Senhor quando o descanso sucedesse. Por isso, o Senhor respondeu a Marta, que se queixava por sua irmã não a ajudar: "Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada". Ele não disse que a parte de Marta era má, mas esta é a melhor, que não será retirada. Aquela que está no serviço da necessidade será retirada quando a própria necessidade passar, pois a recompensa do bom trabalho é o descanso duradouro. Nessa contemplação, Deus será tudo em todos, pois nada mais será necessário, e só Ele será suficiente para iluminar e desfrutar. Portanto, aquele em quem o Espírito intercede com gemidos inexprimíveis diz: "Uma coisa eu pedi ao Senhor, isso buscarei: habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do Senhor". Pois contemplaremos Deus Pai, Filho e Espírito Santo, quando o Mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus, entregar o reino a Deus e ao Pai. Então, Ele não intercederá mais por nós como nosso Mediador e Sacerdote, Filho de Deus e Filho do Homem; mas Ele mesmo, na medida em que é Sacerdote, tendo assumido a forma de servo por nós, será submetido àquele que sujeitou todas as coisas a Ele e ao qual todas as coisas foram sujeitas; para que, na medida em que Ele é Deus, tenha-nos sujeitos com Ele, e, na medida em que é Sacerdote, esteja sujeito a nós. Portanto, como o Filho é Deus e homem, uma substância é Deus, outra é homem, sendo o homem mais no Filho do que o Filho no Pai; assim como a carne da minha alma é uma substância diferente da minha alma, embora em um só homem, assim como a alma de outro homem é diferente da minha alma.

21. Portanto, quando Ele entregar o reino a Deus e ao Pai, isto é, quando conduzir os crentes que agora intercede para contemplar aquele a quem suspiramos e gememos para perceber, e passarão o trabalho e o gemido, Ele não intercederá mais por nós, pois o reino terá sido entregue a Deus e ao Pai. Isso é indicado quando Ele diz: "Estas coisas vos tenho dito por parábolas; vem a hora em que não vos falarei mais por parábolas, mas vos falarei claramente acerca do Pai", ou seja, não haverá mais parábolas quando a visão for face a face. Pois Ele diz, "vos falarei claramente acerca do Pai", como se dissesse, "manifestarei claramente o Pai a vós." Pois Ele diz que o Pai é a Sua palavra. Em seguida, Ele diz: "Naquele dia pedireis em meu nome, e não vos digo que eu rogarei o Pai por vós; pois o próprio Pai vos ama, porque vós Me amastes e crestes que Eu saí de Deus. Saí do Pai e vim a este mundo: novamente deixo o mundo e vou para o Pai." O que significa "saí do Pai", senão "não em Sua forma, em que sou igual ao Pai, mas de outra forma, isto é, apareci menor na criatura assumida"? E o que significa "vim a este mundo", senão "manifestei-me na forma de servo que assumi, mesmo para os pecadores que amam este mundo"? E o que significa "deixo novamente o mundo", senão "retiro do olhar dos amantes do mundo o que viram"? E o que significa "vou para o Pai", senão "ensino a minha igualdade com o Pai da maneira como deve ser entendida pelos fiéis"? Aqueles que crêem serão considerados dignos de serem conduzidos da fé para a visão, isto é, à própria visão, na qual Ele, conduzindo, é dito entregar o reino a Deus e ao Pai. Pois os fiéis que Ele redimiu com Seu próprio sangue são chamados de Seu reino, pelos quais Ele agora intercede; mas naquele tempo, Ele os fará permanecer onde é igual ao Pai, e Ele não mais pedirá ao Pai por eles. Pois Ele mesmo diz: "O próprio Pai vos ama." Pois Ele ora nessa medida em que é menor que o Pai; mas é ouvido na medida em que é igual ao Pai. Portanto, quando Ele diz "O próprio Pai vos ama", Ele não se separa, mas, de acordo com o que eu mencionei anteriormente e suficientemente insinuei, frequentemente cada pessoa na Trindade é mencionada de tal forma que as outras também são entendidas lá. Assim, foi dito: "O próprio Pai vos ama", para que seja compreendido consequentemente tanto o Filho quanto o Espírito Santo; não porque Deus não nos ama agora, pois Ele não poupou Seu próprio Filho, mas O entregou por todos nós; mas Ele nos ama como seremos, não como somos. Pois Ele ama aqueles que conserva eternamente, e isso será quando Ele entregar o reino a Deus e ao Pai, pois agora Ele intercede por nós, para que Ele não precise mais interceder ao Pai, pois o próprio Pai nos ama. Por que mérito, a não ser pela fé com a qual acreditamos antes de ver aquilo que é prometido? Através dela, chegamos à visão, para que Deus nos ame como seremos, não como somos, e Ele nos exorta e concede que não desejemos ser sempre como somos.

22. Portanto, conhecendo essa regra para entender as Escrituras a respeito do Filho de Deus, distinguiremos o que nelas se refere à forma de Deus, na qual Ele é igual ao Pai, e o que se refere à forma de servo que Ele assumiu e é menor que o Pai. Não nos confundiremos, então, como se fossem sentenças contrárias e contraditórias entre si nas Escrituras sagradas. Pois, segundo a forma de Deus, o Filho e o Espírito Santo são iguais ao Pai, como já mostramos; no entanto, segundo a forma de servo, Ele é menor que o Pai, pois Ele mesmo disse: "O Pai é maior do que Eu." Ele é menor que a Si mesmo, pois é dito Dele: "Ele mesmo Se esvaziou"; e Ele é menor que o Espírito Santo, pois Ele mesmo diz: "Aquele que proferir uma blasfêmia contra o Filho do Homem será perdoado; mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado." E Ele realizou milagres, dizendo: "Se, pelo Espírito de Deus, eu expulso demônios, certamente chegou a vós o Reino de Deus." E ele cita Isaías, cuja leitura ele mesmo recitou na sinagoga e mostrou ser cumprida nele sem hesitação ou dúvida: "O Espírito do Senhor está sobre mim; portanto, Ele me ungiu para evangelizar os pobres, enviar-me para pregar a remissão aos cativos, etc." Ele diz que foi enviado para fazer essas coisas porque o Espírito do Senhor está sobre Ele. Segundo a forma de Deus, todas as coisas foram feitas por meio Dele; segundo a forma de servo, Ele foi feito de uma mulher, feito sob a lei. Segundo a forma de Deus, Ele e o Pai são um; segundo a forma de servo, Ele não veio fazer a Sua própria vontade, mas a vontade Daquele que O enviou. Segundo a forma de Deus, assim como o Pai tem vida em Si mesmo, assim também concedeu ao Filho ter vida em Si mesmo; segundo a forma de servo, Sua alma estava triste até a morte, e Ele disse: "Pai, se possível, afasta de Mim este cálice." Segundo a forma de Deus, Ele é o verdadeiro Deus e a vida eterna; segundo a forma de servo, Ele se tornou obediente até a morte, e morte de cruz.

23. Segundo a forma de Deus, tudo o que o Pai tem é Dele: "Todas as coisas que são minhas são tuas, e as tuas são minhas", diz Ele; segundo a forma de servo, Sua doutrina não é Dele, mas Daquele que O enviou.


Capítulo 11

23a. E: "Quanto ao dia e à hora, ninguém sabe, nem os anjos no céu, nem o Filho, senão o Pai." Ele não sabia isso da maneira como o tornou conhecido aos discípulos naquele momento, como foi dito a Abraão: "Agora sei que temes a Deus", ou seja, "agora fiz com que soubesses", pois Ele próprio, naquela tentação, foi provado. Pois, certamente, Ele teria dito isso aos discípulos no momento oportuno, sobre o qual, falando como se fosse algo passado, Ele diz: "Não vos chamarei mais de servos, mas de amigos. Pois o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas Eu vos chamei de amigos, porque tudo o que ouvi do meu Pai, vos dei a conhecer." O que ainda não havia feito, mas porque certamente o faria, falou como se já tivesse feito. Ele disse a eles: "Tenho muitas coisas para vos dizer, mas não podeis suportá-las agora." Entre essas coisas está incluído: "Quanto ao dia e à hora." Pois o apóstolo diz: "Pois eu mesmo não me julguei saber coisa alguma entre vós, exceto Jesus Cristo, e este crucificado." Ele falava a eles, que não podiam compreender coisas mais profundas sobre a divindade de Cristo. A eles, pouco depois, ele diz: "Não pude falar-vos como a espirituais, mas como a carnais." Portanto, ele não sabia entre eles o que eles não podiam saber por meio Dele. E Ele disse que sabia apenas o que deveria ser conhecido por meio Dele. Finalmente, Ele sabia entre os perfeitos o que não sabia entre os pequeninos, pois ali Ele diz: "Falamos sabedoria entre os perfeitos." Nesse tipo de expressão, cada um é dito não saber o que oculta, pois é comparado a uma fossa cega que está escondida. Pois as Escrituras não falam de maneira alguma que não seja encontrada na linguagem humana, pois certamente falam aos seres humanos.

24. De acordo com a forma de Deus, foi dito: "Antes que todos os montes fossem gerados, isto é, antes de todas as alturas das criaturas, e: Antes que a estrela da manhã te gerasse, isto é, antes de todos os tempos e coisas temporais. De acordo com a forma de servo, foi dito: "O Senhor me criou no princípio dos seus caminhos." Porque, segundo a forma de Deus, Ele disse: "Eu sou a verdade", e segundo a forma de servo: "Eu sou o caminho." Pois Ele, sendo o primogênito dentre os mortos, abriu o caminho para a Sua igreja para o reino de Deus e para a vida eterna, cuja cabeça é para a imortalidade, até mesmo do corpo. Portanto, Ele foi criado no início dos caminhos de Deus em Suas obras. Pois, segundo a forma de Deus, o início é o que fala conosco, e nesse início Deus fez os céus e a terra; segundo a forma de servo: "O noivo sai de seu aposento." De acordo com a forma de Deus, Ele é o primogênito de toda a criação, e nele todas as coisas subsistem; segundo a forma de servo: Ele é a cabeça do corpo da igreja. De acordo com a forma de Deus, o Senhor da glória. Daí ser claro que Ele glorifica os Seus santos. Pois aqueles a quem Ele predestinou, a estes também chamou; e aqueles que chamou, a estes também justificou; e aqueles que justificou, a estes também glorificou. Pois Dele foi dito que Ele justifica o ímpio; Dele foi dito que Ele é justo e justificador. Se, portanto, aqueles que Ele justificou, Ele também glorificou, Aquele que justifica também glorifica, Aquele que é, como disse, o Senhor da glória. Mas, segundo a forma de servo, respondendo aos discípulos preocupados com a Sua glorificação, Ele disse: "Sentar à minha direita ou à minha esquerda não me pertence dar-vos, mas a quem está preparado por meu Pai."

25. "Mas o que está preparado pelo Pai e por Ele mesmo está preparado porque Ele e o Pai são um. Pois já mostramos, nesta trindade, por muitos modos de palavras divinas, que é dito até mesmo sobre cada pessoa que é para a operação inseparável da mesma e única substância. Como também sobre o Espírito Santo Ele diz: "Quando eu for, enviarei Ele a vós". Ele não disse "nós enviaremos", mas falou como se apenas o Filho fosse enviá-Lo, não também o Pai; enquanto em outro lugar Ele diz: "Estas coisas vos tenho falado, estando ainda convosco. Mas o Advogado, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas." Aqui novamente é dito como se Ele não fosse enviá-Lo, mas apenas o Pai. Assim como em relação a isso, também ao que Ele diz: "Mas aqueles para os quais está preparado pelo meu Pai", Ele queria que fosse entendido como preparando os lugares da glória com o Pai que Ele queria. Mas alguém pode dizer: 'Lá, quando falava do Espírito Santo, Ele disse que Ele o enviaria de tal maneira que não negaria que o Pai também o enviaria, e em outro lugar, assim do Pai, que Ele não negaria que Ele também o enviaria; mas aqui, Ele diz abertamente: "Não me compete dar-vos", e assim, seguindo o Pai, Ele disse que estas coisas estavam preparadas.' Mas isso é o que explicamos como dito de acordo com a forma de servo, para que o entendêssemos assim: "Não me compete dar-vos", como se Ele dissesse: 'Não é da autoridade humana dar isso', para que por isso seja entendido como dar isso pela qual Deus é igual ao Pai. "Não é meu", diz Ele, "dar-vos", ou seja, não é da autoridade humana que dou isso, mas para aqueles para quem está preparado pelo meu Pai; mas agora entendeis que se todas as coisas que o Pai tem são minhas, e isto certamente é meu, e com o Pai, eu preparei isso.

26. Agora, como foi dito: "Se alguém não ouvir as minhas palavras, eu não o julgarei." Porventura, Ele disse isso assim, "Eu não o julgarei", como disse lá, "Não é meu dar"? Mas o que segue aqui? Pois Ele diz: "Não vim para julgar o mundo, mas para salvar o mundo." Em seguida, acrescenta e diz: "Quem me rejeita e não aceita as minhas palavras, tem quem o julgue." Aqui entenderíamos que é o Pai, se não acrescentasse e dissesse: "A palavra que eu falei, essa o julgará no último dia." Então, o Filho não julgará, pois disse: "Eu não o julgarei", nem o Pai, mas a palavra que o Filho falou o julgará? Sim, ouçamos mais o que segue: "Porque eu", diz Ele, "não falei por mim mesmo, mas o Pai que me enviou, Ele me deu um mandamento sobre o que dizer e o que falar; e eu sei que Seu mandamento é vida eterna. As coisas que eu falo, assim como o Pai me disse, assim falo." Portanto, se o Filho não julga, mas a palavra que o Filho falou julga, é porque o Filho não falou de Si mesmo, mas o Pai que O enviou deu a Ele um mandamento sobre o que dizer e falar. Certamente, o Pai julga aquele cuja palavra é o que o Filho falou, e a própria palavra do Pai é o próprio Filho. Pois não é outra coisa senão o mandamento do Pai, a palavra do Pai; pois Ele chamou isso tanto de palavra quanto de mandamento. Vejamos, portanto, se talvez o que Ele disse, "Eu não falei de mim mesmo", seja entendido como 'Eu não nasci de mim mesmo'. Pois, se Ele fala a palavra do Pai, Ele fala de Si mesmo porque Ele é a palavra do Pai. Ele frequentemente diz: "O Pai me deu", pelo qual é entendido que o Pai O gerou, para que não seja entendido como se tivesse dado alguma coisa a Ele que já existisse e não tivesse. Ele deu a Ele mesmo para que Ele tivesse, gerou para que Ele existisse. Pois, antes da encarnação e antes de assumir a criatura, o Filho de Deus, o Unigênito, por quem todas as coisas foram feitas, não é outra coisa e não tem outra coisa senão Ele mesmo. Portanto, dizer "O Pai me deu a vida em Si mesmo", não é como se Ele tivesse dado isso para que Ele tivesse a vida em Si mesmo, uma vez que Ele mesmo é a vida. Portanto, Ele deu ao Filho ter a vida em Si mesmo, gerou o Filho para ser a vida imutável, que é a vida eterna. Portanto, uma vez que a palavra de Deus é o Filho de Deus, e o Filho de Deus é o verdadeiro Deus e a vida eterna, como João diz em sua epístola, também aqui reconhecemos que o Senhor, quando diz: "A palavra que eu falei, essa o julgará no último dia", está dizendo que a palavra do Pai é o Filho, e a palavra do Pai é a vida eterna. "E eu sei", diz Ele, "que Seu mandamento é a vida eterna."

27. Assim, pergunto como devemos entender: "Eu não julgarei, mas a palavra que eu falei julgará", o que parece ser dito como se Ele dissesse: "Eu não julgarei, mas a palavra do Pai julgará". No entanto, a palavra do Pai é o próprio Filho de Deus. Será que isso deve ser entendido assim: "Eu não julgarei, mas eu julgarei"? Como isso pode ser verdadeiro, a não ser que seja entendido assim: "Eu", isto é, "não julgarei pela autoridade humana, pois sou o Filho do Homem, mas eu julgarei pela autoridade da palavra, pois sou o Filho de Deus". Ou, se parecerem contrárias e opostas "Eu não julgarei, mas eu julgarei", o que diremos onde Ele diz: "Minha doutrina não é minha"? Como pode ser minha e não ser minha? Pois Ele não disse: "Esta doutrina não é minha", mas: "Minha doutrina não é minha"; o que Ele disse como sua, Ele o disse também como não sua. Como isso pode ser verdadeiro, a não ser que Ele tenha dito como sua em um sentido e como não sua em outro; segundo a forma de Deus, como sua; segundo a forma de servo, como não sua? Pois quando Ele diz: "Não é minha, mas daquele que me enviou", nos leva a recorrer à própria palavra. Pois a doutrina do Pai é a palavra do Pai, que é o Filho único. O que significa isto: "Quem crê em mim não crê em mim"? Como em Ele mesmo, como não em Ele mesmo? Como pode ser tão contraditório e adverso a si mesmo --- "Quem crê em mim", diz Ele, "não crê em mim, mas naquele que me enviou" --- a não ser que se entenda assim: "Quem crê em mim, não crê naquilo que vê", para que nossa esperança não esteja na criatura, mas naquele que assumiu a criatura, na qual apareceria aos olhos humanos e, assim, pela fé, purificaria os corações para contemplar-se igual ao Pai? Portanto, ao referir a intenção dos crentes ao Pai e dizendo: "Não crê em mim, mas naquele que me enviou", Ele certamente não quis se separar do Pai, isto é, daquele que O enviou, mas para que se cresse Nele da mesma forma que se crê no Pai a quem Ele é igual. O que Ele afirma claramente em outro lugar: "Crede em Deus e também em mim", isto é, assim como credes em Deus, assim também em mim, porque Eu e o Pai somos um Deus. Assim como aqui, como se retirasse a fé dos homens de si mesmo e a transferisse para o Pai, ao dizer: "Não crê em mim, mas naquele que me enviou", embora não se tenha separado Dele; da mesma forma, ao que Ele diz: "Não é meu dar, mas para aqueles para os quais está preparado pelo meu Pai", penso que fica claro de que maneira ambos devem ser entendidos. Pois o mesmo acontece com isso: "Eu não julgarei, quando Ele mesmo julgará os vivos e os mortos"; mas porque não é pela autoridade humana, ao recorrer à divindade, eleva os corações dos homens para serem aliviados.


Capítulo 12

28. No entanto, se o Filho do Homem não fosse o mesmo por causa da forma de servo que Ele assumiu, sendo o Filho de Deus por causa da forma de Deus na qual Ele está, o apóstolo Paulo não diria sobre os príncipes deste século: "Pois, se o tivessem conhecido, jamais teriam crucificado o Senhor da glória." Pois Ele foi crucificado de acordo com a forma de servo, e ainda assim, Ele é o Senhor da glória. Era uma aceitação tal que faria Deus homem e homem Deus. No entanto, o entendimento sábio, diligente e piedoso do leitor é ajudado pelo Senhor para compreender por quê e o que significa segundo o quê. Pois, veja, dissemos que Ele glorifica os Seus de acordo com o que Ele é como Deus, certamente por ser o Senhor da glória; e, no entanto, o Senhor da glória foi crucificado, pois é corretamente afirmado que Deus também foi crucificado, não pela virtude da divindade, mas pela fraqueza da carne. Assim como dizemos que Ele julga de acordo com o que Ele é como Deus, isto é, pelo poder divino e não pelo humano, e, no entanto, o próprio homem será o juiz, assim como o Senhor da glória foi crucificado. Pois Ele diz claramente: "Quando o Filho do Homem vier em Sua glória, e todos os anjos com Ele, então Ele se sentará em Seu trono glorioso e todas as nações serão reunidas diante Dele", etc., como é pregado sobre o julgamento futuro até a sentença final naquele lugar. E os judeus, que persistem na maldade, serão punidos naquele julgamento, como está escrito em outro lugar: "Eles olharão para aquele a quem transpassaram." Pois, certamente, tanto os bons quanto os maus verão o juiz dos vivos e dos mortos, sem dúvida, os maus não O verão senão pela forma do Filho do Homem. No entanto, eles não O verão na glória do juízo, mas na humildade em que Ele foi julgado. Além disso, com certeza, os ímpios não verão a forma de Deus na qual Ele é igual ao Pai. Pois eles não são puros de coração: "Bem-aventurados os puros de coração, pois eles verão a Deus." E essa visão é cara ao rosto, que é a recompensa suprema prometida aos justos. E ela se realizará quando Ele entregar o reino a Deus e ao Pai, em que Ele deseja entender a visão de Sua própria forma, sujeitando todas as criaturas a Deus e até mesmo àquela em que o Filho de Deus se tornou o Filho do Homem, porque de acordo com esta, Ele mesmo, o Filho, então será submisso àquele que sujeitou todas as coisas a Ele, para que Deus seja tudo em todos. Se, no entanto, o Filho de Deus, o juiz, aparecer na forma em que é igual ao Pai, mesmo ao julgar os ímpios, o que significa quando Ele diz como grande promessa ao Seu amado: "Eu o amarei e me manifestarei a ele"? Portanto, o Filho do Homem será julgado, mas não pela autoridade humana, mas pela que Ele é como Filho de Deus. E novamente, o Filho de Deus será julgado, mas não na forma em que Ele aparece como Deus igual ao Pai, mas naquela em que Ele é o Filho do Homem.

29. Portanto, ambos podem ser ditos: "O Filho do Homem julgará" e "O Filho do Homem não julgará", porque o Filho do Homem julgará, para que seja verdade o que Ele diz: "Quando o Filho do Homem vier, todas as nações serão reunidas diante Dele"; e o Filho do Homem não julgará, para que seja verdade o que Ele diz: "Eu não julgarei" e "Eu não busco a minha glória; há quem busque e julgue. Pois, de acordo com o que aparecerá no julgamento não será a forma de Deus, mas a forma do Filho do Homem, nem o próprio Pai julgará. Pois foi dito assim: "O Pai não julga ninguém, mas deu todo o julgamento ao Filho." Se isso foi dito a partir daquela expressão que mencionamos anteriormente, onde Ele diz: "Assim como o Pai deu ao Filho ter vida em Si mesmo", para significar que assim Ele gerou o Filho, ou a partir daquela sobre a qual o apóstolo fala, dizendo: "Por isso, Deus O exaltou e Lhe deu o nome que está acima de todo nome." Pois isso foi dito sobre o Filho do Homem, segundo o qual o Filho de Deus ressuscitou dos mortos. Pois Ele, na forma de Deus, é igual ao Pai, a partir de quem Ele se esvaziou, assumindo a forma de servo; na própria forma de servo, Ele age, sofre e recebe, a qual o apóstolo subsequente conecta: "Humilhou-se, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz; por isso, Deus O exaltou e Lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que, ao nome de Jesus, todo joelho se dobre nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que o Senhor Jesus está na glória de Deus Pai." Portanto, seja dito de acordo com esta ou aquela expressão que "Deu todo julgamento ao Filho", fica claro que Ele é dito de acordo com o que foi dito: "Deu ao Filho ter vida em Si mesmo", não sendo afirmado: "O Pai não julga ninguém." Pois, de acordo com o fato de que o Pai gerou o Filho como igual, Ele julga com Ele. Portanto, foi dito que no julgamento não será a forma de Deus, mas a forma do Filho do Homem. Não porque aquele que deu todo o julgamento ao Filho não julgará, já que o Filho diz sobre Ele: "Há quem busque e julgue"; mas foi dito assim: "O Pai não julga ninguém, mas deu todo o julgamento ao Filho", como se fosse dito: "Ninguém verá o Pai no julgamento dos vivos e dos mortos, mas todos verão o Filho", pois Ele é também o Filho do Homem, para que possa ser visto pelos ímpios, já que eles também verão Aquele a quem transpassaram.

30. Para que não pareça que estamos apenas fazendo conjecturas, mas sim demonstrando claramente a sentença específica do Senhor, pela qual mostramos que ela foi a causa de Ele dizer: "O Pai não julga ninguém, mas deu todo julgamento ao Filho", pois o juiz aparecerá na forma do Filho do Homem, uma forma que não é a do Pai, mas sim a do Filho. Não é a forma do Filho em que Ele é igual ao Pai, mas aquela em que é menor que o Pai, para que Ele seja visível no julgamento tanto para os bons quanto para os maus. Pois, logo depois, Ele diz: "Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, e não entra em julgamento, mas passou da morte para a vida." Esta vida eterna é aquela visão que não pertence aos maus. Em seguida, Ele continua: "Em verdade, em verdade vos digo que está chegando a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que ouvirem viverão." E isso é peculiar aos piedosos, que ouvem sobre a Sua encarnação de tal forma que creem que Ele é o Filho de Deus, isto é, que O aceitam como menor que o Pai na forma de servo para crer que Ele é igual ao Pai na forma de Deus. E, assim, Ele continua, elogiando isso: "Pois, assim como o Pai tem vida em Si mesmo, assim também deu ao Filho ter vida em Si mesmo." Em seguida, Ele chega à visão de Sua própria glória, na qual Ele virá para o julgamento, uma visão que será comum tanto para os ímpios quanto para os justos. Pois Ele continua e diz: "E lhe deu autoridade para julgar, porque é o Filho do Homem." Eu penso que nada é mais claro. Pois, porque Ele é o Filho de Deus e é igual ao Pai, Ele não recebe essa autoridade para exercer julgamento, mas Ele a possui com o Pai em segredo; no entanto, Ele recebe essa autoridade para que os bons e os maus O vejam julgando, porque Ele é o Filho do Homem. Pois a visão do Filho do Homem será apresentada até mesmo aos maus; pois a visão da forma de Deus só é dada aos corações puros, pois eles verão a Deus; isto é, apenas para os piedosos, para os quais Ele promete isso mesmo, porque Ele se mostrará a eles. E, por isso, veja o que segue: "Não vos admireis com isso." O que nos impede de nos admirar, exceto aquilo que, de fato, todos se admirariam, ou seja, Ele dizer que o Pai deu a Ele o poder e a autoridade para julgar porque Ele é o Filho do Homem, quando mais se esperaria que Ele dissesse: "porque Ele é o Filho de Deus"? Mas, como os ímpios não podem ver o Filho de Deus, segundo o que Ele é igual na forma de Deus ao Pai, é necessário que, como juiz dos vivos e dos mortos, quando eles serão julgados, tanto os justos quanto os ímpios vejam. "Não vos admireis, pois," diz Ele, "porque virá a hora em que todos os que estão nos túmulos ouvirão a sua voz; e os que tiverem feito o bem ressuscitarão para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo." Portanto, era necessário que Ele recebesse essa autoridade como o Filho do Homem, para que todos os ressuscitados O vejam na forma em que Ele pode ser visto por todos, mas alguns para condenação e outros para a vida eterna. Mas, afinal, qual é a vida eterna, senão aquela visão que não é concedida aos maus? "Para que te conheçam," diz Ele, "como o único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem enviaste." E como eles podem conhecê-Lo, a Ele, Jesus Cristo, a não ser da mesma maneira, ou seja, que Ele Se mostrará a eles, não apenas na forma do Filho do Homem, mas também na forma do Filho de Deus, punindo os ímpios?

31. Segundo aquela visão, é bom na medida em que a visão de Deus se manifesta para os corações puros, pois: "Quão bom é Deus para os retos de coração!" Contudo, quando os ímpios virem o juiz, não lhes parecerá bom, porque seus corações não se alegrarão com Ele, mas, naquele momento, todas as tribos da terra, sem dúvida, lamentarão juntas, sendo contadas entre os piores e os infiéis. Por isso, aquele que O chamou de "Bom Mestre", buscando Dele conselhos sobre como obter a vida eterna, recebeu a resposta: "Por que Me perguntas sobre o que é bom? Ninguém é bom, a não ser Deus." Contudo, em outro lugar, Ele mesmo chama o homem de bom: "O homem bom, do bom tesouro do seu coração, tira coisas boas, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração, tira coisas más." Mas, uma vez que aquele buscava a vida eterna, e a vida eterna está na contemplação em que Deus não aparece para punição, mas para a alegria eterna, e ele não entendia que estava falando com Aquele que Ele considerava apenas como Filho do Homem, Ele respondeu: "Por que Me perguntas sobre o que é bom? Ou seja: 'Essa forma que você vê, por que Me pergunta sobre o que é bom, e Me chama de Bom Mestre conforme você vê, nesta forma apenas? Esta forma é a do Filho do Homem; esta forma foi recebida; esta forma aparecerá no julgamento não apenas para os justos, mas também para os ímpios, e a visão desta forma não será boa para aqueles que fazem o mal. No entanto, a visão da Minha forma, na qual, quando Eu existia, não considerei ser igual a Deus por rapina, mas para receber esta forma, Eu mesmo Me esvaziei.' Portanto, Aquele Deus único, Pai e Filho e Espírito Santo, que não aparecerá senão para a alegria que não será tirada dos justos, para a qual a alma anseia que diz: 'Uma coisa eu pedi ao Senhor, e a buscarei: que eu possa habitar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do Senhor.' Esse único Deus é o único bem para isso, porque ninguém O verá para luta e lamentação, mas apenas para salvação e verdadeira alegria. 'Se você Me entender nesta forma, Eu sou bom; no entanto, se apenas conforme esta, por que Me pergunta sobre o que é bom, se você estiver entre aqueles que verão a quem eles desprezaram, e a visão em si será má para eles, pois será de punição?' Dessa sentença, ao dizer o Senhor: "Por que Me perguntas sobre o que é bom? Ninguém é bom, a não ser Deus", é provável que, pelas razões que mencionei, tenha sido dito. Pois aquela visão de Deus, que contemplaremos, imutável e invisível à visão humana, que é prometida apenas aos santos - como diz o apóstolo Paulo: "veremos face a face" - e da qual o apóstolo João diz: "Seremos semelhantes a Ele, porque O veremos como Ele é"; e da qual é dito: "Uma coisa eu pedi ao Senhor, que eu possa contemplar a beleza do Senhor"; e da qual o próprio Senhor diz: "E Eu o amarei e Me revelarei a ele"; e por causa da qual, somente pela fé, purificamos os corações para sermos bem-aventurados, pois eles verão a Deus; e se há outras coisas ditas sobre essa visão, que são abundantemente espalhadas por todas as Escrituras, quem dirigir o olhar do amor a ela a encontrará - é o único bem supremo, por cuja aquisição somos instruídos a fazer tudo o que fazemos corretamente. Porém, aquela visão do Filho do Homem, que foi anunciada quando todas as nações se reunirão diante Dele e Lhe dirão: "Senhor, quando Te vimos com fome e sede?" e assim por diante, não será boa para os ímpios, pois serão lançados no fogo eterno, nem será o bem supremo para os justos. Pois Ele ainda os chama para o reino preparado para eles desde o princípio do mundo. Pois, assim como Ele dirá a aqueles: "Ide para o fogo eterno", assim dirá a estes: "Vinde, benditos de Meu Pai, possuam o reino preparado para vós." E, assim como aqueles irão para a punição eterna, assim os justos irão para a vida eterna. Mas o que é a vida eterna senão conhecer-Te, como Ele diz, o único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem enviaste? "Mas já naquela clareza da qual Ele diz ao Pai: 'a qual Eu tinha contigo antes que o mundo existisse.' Pois então Ele entregará o reino a Deus e ao Pai, para que o bom servo entre na alegria de seu Senhor e esconda aqueles que Deus possui em Seu esconderijo, longe da perturbação dos homens, ou seja, daqueles que serão perturbados ao ouvir aquela sentença. A partir dessa má audição, o justo não terá medo, desde que ele esteja protegido em uma cabana, isto é, na fé correta da Igreja Católica, da contradição de línguas, isto é, das calúnias dos hereges. No entanto, se há outra interpretação das palavras do Senhor, ao dizer: "Por que Me perguntas sobre o que é bom? Ninguém é bom, a não ser Deus", contanto que não se acredite, por isso, que a substância do Pai é de maior bondade do que a do Filho, pela qu