Trinta e Nove Artigos da Religião

Sobre os artigos

Há duas maneiras iguais e eternas de olhar para este nosso mundo crepuscular: podemos vê-lo como o crepúsculo da tarde ou o crepúsculo da manhã; podemos pensar em qualquer coisa, até uma bolota caída, como descendente ou ancestral. Há momentos em que somos quase esmagados, não tanto com a carga do mal, mas com a carga da bondade da humanidade, quando nos sentimos nada mais que herdeiros de um esplendor humilhante. Mas há outros momentos em que tudo parece primitivo, quando as estrelas antigas são apenas faíscas sopradas da fogueira de um menino, quando toda a terra parece tão jovem e experimental que até os cabelos brancos dos velhos, na bela frase bíblica, é como amendoeiras que florescem, como o espinheiro branco cultivado em maio. Que é bom para um homem perceber que ele é "o herdeiro de todas as eras" é muito comumente admitido; é um ponto menos popular, mas igualmente importante, que é bom para ele, às vezes, perceber que ele não é apenas um ancestral, mas um ancestral da antiguidade primitiva; é bom que ele se pergunte se não é um herói e que experimente dúvidas enobrecedoras sobre se ele não é um mito solar.

Os Trinta e nove Artigos da Religião (comumente abreviados como os Trinta e nove Artigos ou os Artigos XXXIX) são as declarações historicamente definidoras de doutrinas e práticas da Igreja da Inglaterra no que diz respeito às controvérsias da Reforma Inglesa. Os Trinta e nove Artigos fazem parte do Livro de Oração Comum usado pela Igreja da Inglaterra e pela Igreja Episcopal.

Quando Henrique VIII rompeu com a Igreja Católica e foi excomungado, ele começou a reforma da Igreja da Inglaterra, que seria liderada pelo monarca (ele mesmo) em vez do papa. Neste ponto, ele precisava determinar quais seriam suas doutrinas e práticas em relação à Igreja Católica Romana e aos novos movimentos protestantes na Europa continental. Uma série de documentos definidores foram escritos e substituídos ao longo de um período de 30 anos à medida que a situação doutrinária e política mudou da excomunhão de Henrique VIII em 1533, para a excomunhão de Elizabeth I em 1570. Essas posições começaram com os Dez Artigos em 1536, e concluíram com a finalização dos Trinta e nove artigos em 1571. Os trinta e nove artigos serviram para definir a doutrina da Igreja da Inglaterra como relacionada à doutrina calvinista e à prática católica romana.

Os artigos passaram por pelo menos cinco grandes revisões antes de sua finalização em 1571. A primeira tentativa foi os Dez Artigos de 1536, que mostraram algumas inclinações ligeiramente protestantes – resultado de um desejo inglês por uma aliança política com os príncipes luteranos alemães. A próxima revisão foi os Seis Artigos de 1539 que se afastaram de todas as posições reformadas, e depois do Livro do Rei em 1543, que restabeleciam a maioria das doutrinas católicas romanas anteriores. Durante o reinado de Eduardo VI, filho de Henrique VIII, os Quarenta e dois Artigos foram escritos sob a direção do Arcebispo Thomas Cranmer em 1552. Foi neste documento que o pensamento calvinista alcançou o zênite de sua influência na Igreja Inglesa. Estes artigos nunca foram colocados em ação, devido à morte de Eduardo VI e à reversão da Igreja Inglesa ao Catolicismo Romano sob a filha mais velha de Henrique VIII, Maria I.

Finalmente, após a coroação de Elizabeth I e a restapropriação da Igreja da Inglaterra como separado da Igreja Católica Romana, os Trinta e nove Artigos de Religião foram iniciados pela Convocação de 1563, sob a direção de Matthew Parker, o Arcebispo de Cantuária. Os artigos recuaram de alguns dos pensamentos calvinistas mais extremos e criaram a distinta doutrina reformada inglesa.

Os Trinta e nove Artigos foram finalizados em 1571, e incorporados ao Livro de Oração Comum. Embora não seja o fim da luta entre monarcas e cidadãos católicos e protestantes, o livro ajudou a padronizar a língua inglesa, e deveria ter um efeito duradouro sobre a religião no Reino Unido e em outros lugares através de seu amplo uso.


Trinta e Nove Artigos da Religião da Igreja da Inglaterra



1. De fé na Santíssima Trindade. 

2. De Cristo, o Filho de Deus. 

3. De ele cair no inferno. 

4. De sua ressurreição. 

5. Do Espírito Santo. 

6. Da suficiência das Escrituras. 

7. Do Antigo Testamento. 

8. Dos Três Credos. 

9. Do pecado original ou do nascimento. 

10. Do livre-arbítrio. 

11. De justificação. 

12. Das boas obras. 

13. Obras antes da justificação. 

14. Das Obras de Supererrogação. 

15. Somente de Cristo sem pecado. 

16. Do pecado após o batismo. 

17. De predestinação e eleição. 

18. De obter a salvação por Cristo. 

19. Da igreja. 

20. Da autoridade da igreja. 

21. Da autoridade dos conselhos gerais. 

22. Do Purgatório. 

23. De ministrar na Congregação. 

24. De falar na Congregação. 

25. Dos sacramentos. 

26. Da indignidade dos ministros. 

27. Do batismo. 

28. Da Ceia do Senhor. 

29. Dos ímpios que não comem o Corpo de Cristo. 

30. De ambos os tipos. 

31. Da única obrigação de Cristo. 

32. Do casamento dos padres. 

33. De pessoas excomungadas. 

34. Das tradições da igreja. 

35. Das Homilias. 

36. De consagração de ministros. 

37. Dos magistrados civis. 

38. Dos bens dos homens cristãos. 

39. Do Juramento de um cristão.


I. De fé na Santíssima Trindade.

Existe apenas um Deus vivo e verdadeiro, eterno, sem corpo, partes ou paixões; de poder infinito, sabedoria e bondade; o Criador e o Preservador de todas as coisas visíveis e invisíveis. E na unidade desta divindade existem três pessoas, de uma substância, poder e eternidade; o Pai, o Filho e o Espírito Santo.


II. Da Palavra ou Filho de Deus, que foi feito muito Homem.

O Filho, que é a Palavra do Pai, gerado desde a eternidade do Pai, o próprio e eterno Deus, e de uma substância com o Pai, tomou a natureza do homem no ventre da bem-aventurada Virgem, de sua substância: de modo que dois naturezas inteiras e perfeitas, isto é, a divindade e a masculinidade, foram reunidas em uma Pessoa, para nunca serem divididas, da qual existe um Cristo, muito Deus e muito homem; quem realmente sofreu, foi crucificado, morto e enterrado, para reconciliar seu Pai conosco e ser um sacrifício, não apenas pela culpa original, mas também por todos os pecados reais dos homens.


III. Da descida de Cristo ao inferno.

Como Cristo morreu por nós e foi sepultado; assim também é para crer que ele desceu ao inferno.


IV. Da ressurreição de Cristo.

Cristo realmente ressuscitou da morte e tomou novamente seu corpo, com carne, ossos e todas as coisas pertencentes à perfeição da natureza do homem; com que ele subiu ao céu, e lá está sentado, até que ele retorne para julgar todos os homens no último dia.


V. Do Espírito Santo.

O Espírito Santo, procedente do Pai e do Filho, é de uma substância, majestade e glória, com o Pai e o Filho, Deus muito e eterno.


VI. Da suficiência das Escrituras sagradas para a salvação.

A Sagrada Escritura contém todas as coisas necessárias para a salvação: para que tudo o que não é lido nela, nem possa ser provado por isso, não seja exigido a nenhum homem, para que seja considerado um artigo da fé, ou seja considerado requisito ou necessário para a salvação. Em nome da sagrada Escritura, entendemos os livros canônicos do Antigo e do Novo Testamento, cuja autoridade nunca teve dúvidas na Igreja.

Dos nomes e número dos livros canônicos.

Gênesis, O Primeiro Livro de Crônicas,

Êxodo, O Segundo Livro de Crônicas,

Levítico, O Primeiro Livro de Esdras,

Números, O Segundo Livro de Esdras,

Deuteronômio, O Livro de Ester,

Josué, O Livro de Jó,

Juízes, Salmos,

Rute, Os Provérbios,

O primeiro livro de Samuel, Eclesiastes ou Pregador,

O Segundo Livro de Samuel, Cântico, ou Cânticos de Salomão,

O Primeiro Livro dos Reis, Quatro Profetas, o maior,

O Segundo Livro dos Reis, Doze Profetas, menos.

E os outros livros (como Hierome diz) que a Igreja lê por exemplo da vida e instrução de maneiras; mas ainda não os aplica para estabelecer qualquer doutrina; tais são os seguintes;

O Terceiro Livro de Esdras, Baruque, o Profeta,

O quarto livro de Esdras, a canção dos três filhos,

O Livro de Tobias, A História de Susanna,

O livro de Judith, de Bel e o dragão,

O restante do Livro de Ester, A Oração de Manassés,

O Livro da Sabedoria, O Primeiro Livro dos Macabeus,

Jesus, o Filho de Sirach, O Segundo Livro dos Macabeus.

Todos os livros do Novo Testamento, como são comumente recebidos, nós os recebemos e os consideramos canônicos.


VII. Do Antigo Testamento.

O Antigo Testamento não é contrário ao Novo: pois tanto no Antigo como no Novo Testamento a vida eterna é oferecida à humanidade por Cristo, que é o único Mediador entre Deus e o homem, sendo Deus e o homem. Portanto, eles não devem ser ouvidos, o que finge que os velhos Padres procuravam apenas promessas transitórias. Embora a Lei dada por Deus por Moisés, ao tocar Cerimônias e Ritos, não vincule homens cristãos, nem seus preceitos civis devam necessariamente ser recebidos em qualquer Comunidade; não obstante, nenhum homem cristão está livre da obediência aos mandamentos que são chamados morais.


VIII. Dos Três Credos.

Os Três Credos, Credo Niceno, Credo Atanasiano, e o que é comumente chamado de Credo dos Apóstolos, devem ser completamente recebidos e cridos: pois eles podem ser provados por certos mandados da Sagrada Escritura.


IX. Do pecado original ou do nascimento.

O pecado original não se mantém no seguimento de Adão (como os pelagianos falam em vão;) mas é a falha e a corrupção da natureza de todo homem que naturalmente é originário da descendência de Adão; por meio do qual o homem está muito longe da justiça original e é de sua própria natureza inclinado ao mal, de modo que a carne sempre deseja contrariamente ao espírito; e, portanto, em toda pessoa nascida neste mundo, ela merece a ira e a condenação de Deus. E esta infecção da natureza permanece, sim, naqueles que são regenerados; por meio do qual a luxúria da carne, chamada em grego, phronema sarkos, que alguns expõem a sabedoria, alguma sensualidade, alguns a afeição, outros o desejo da carne, não está sujeita à Lei de Deus. E embora não haja condenação para os que creem e são batizados, o Apóstolo confessa que a concupiscência e a luxúria têm em si a natureza do pecado.


X. Do livre arbítrio.

A condição do homem após a queda de Adão é tal que ele não pode se voltar e se preparar, por sua própria força natural e boas obras, para a fé e clamando a Deus: Portanto, não temos poder para fazer boas obras agradáveis ​​e aceitáveis ​​para nós. Deus, sem a graça de Deus por Cristo nos impedir, para que possamos ter uma boa vontade e trabalhar conosco, quando tivermos essa boa vontade.


XI. Da justificação do homem.

Somos considerados justos diante de Deus, apenas pelo mérito de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo pela fé, e não por nossas próprias obras ou méritos: Portanto, que somos justificados pela fé apenas é uma doutrina mais saudável e muito cheia de consolo. , como mais amplamente é expresso na Homilia da Justificação.


XII. Das Boas Obras.

Embora as boas obras, que são frutos da fé, e seguem a justificação, não possam deixar de lado nossos pecados e suportar a severidade do julgamento de Deus; todavia, são agradáveis ​​e aceitáveis ​​a Deus em Cristo, e surgem necessariamente de uma fé verdadeira e viva; de modo que por eles uma fé viva pode ser tão evidentemente conhecida como uma árvore discernida pelo fruto.


XIII. Obras antes da justificação.

As obras realizadas antes da graça de Cristo, e a inspiração de seu Espírito, não são agradáveis ​​a Deus, uma vez que não nascem de fé em Jesus Cristo, nem fazem homens se encontrarem para receber graça, ou (como dizem os autores da escola) ) merecem graça de congruência: sim, pelo fato de não serem feitos como Deus quis e ordenou que fossem feitos, não duvidamos, mas eles têm a natureza do pecado.


XIV. De Obras de Supererrogação.

Obras voluntárias além dos mandamentos de Deus, que eles chamam de obras de supererrogação, não podem ser ensinadas sem arrogância e impiedade: pois por eles os homens declaram que não apenas prestam a Deus tanto quanto são obrigados a fazer, mas que eles fazem mais por causa dele, do que por dever limitado, é necessário: enquanto Cristo diz claramente: Quando tiverdes feito tudo o que lhes foi ordenado, digamos: Somos servos inúteis.


XV. De Cristo apenas, sem pecado.

Cristo na verdade de nossa natureza foi feito como nós em todas as coisas, exceto no pecado, do qual ele era claramente nulo, tanto em sua carne como em seu espírito. Ele veio a ser o Cordeiro sem mancha, que, por sacrifício de si mesmo uma vez feito, deveria tirar os pecados do mundo, e o pecado, como diz São João, não estava nele. Mas todos nós, embora batizados e nascidos de novo em Cristo, ainda ofendemos em muitas coisas; e se dizemos que não temos pecado, enganamos a nós mesmos, e a verdade não está em nós.


XVI. Do pecado após o batismo.

Nem todo pecado mortal voluntariamente cometido após o batismo é pecado contra o Espírito Santo, e imperdoável. Portanto, a concessão do arrependimento não deve ser negada aos que caem em pecado após o batismo. Depois de recebermos o Espírito Santo, podemos nos afastar da graça dada e cair em pecado, e pela graça de Deus podemos ressuscitar e alterar nossas vidas. E, portanto, devem ser condenados, o que diz que eles não podem mais pecar enquanto viverem aqui, ou negar o lugar do perdão a quem realmente se arrepender.


XVII. De predestinação e eleição.

A predestinação para a vida é o propósito eterno de Deus, pelo qual (antes da fundação dos fundamentos do mundo) ele constantemente decretou por seu conselho secreto para nós, livrar da maldição e condenação aqueles que ele escolheu em Cristo da humanidade, e trazê-los por Cristo à salvação eterna, como vasos feitos para honrar. Portanto, aqueles que são dotados de um benefício tão excelente de Deus são chamados de acordo com o propósito de Deus, por seu Espírito, trabalhando no devido tempo: pela graça obedecem ao chamado: são justificados livremente: são feitos filhos de Deus por adoção: são feito como a imagem do seu unigênito Filho Jesus Cristo: eles andam religiosamente em boas obras e, por fim, pela misericórdia de Deus, alcançam a felicidade eterna.

Como a consideração piedosa da predestinação, e nossa eleição em Cristo, é cheia de conforto doce, agradável e indizível para pessoas piedosas, e as que sentem em si mesmas a operação do Espírito de Cristo, mortificando as obras da carne e suas consequências. membros terrestres, e levando sua mente a coisas elevadas e celestiais, também porque estabelece e confirma grandemente que a fé da salvação eterna é desfrutada por Cristo, como porque acende fervorosamente seu amor por Deus: as pessoas carnais, sem o Espírito de Cristo, para ter continuamente diante de seus olhos a sentença da predestinação de Deus, são as mais perigosas, como o diabo as empurra para o desespero ou para a miséria da maioria dos impuros, não menos perigosos que o desespero. .

Além disso, devemos receber as promessas de Deus de maneira tão sábia, como geralmente são apresentadas a nós nas sagradas Escrituras: e, em nossos atos, essa vontade de Deus deve ser seguida, que expressamente nos declaramos na Palavra de Deus .


XVIII. De obter a salvação eterna somente pelo nome de Cristo.

Eles também devem ter amaldiçoado que pretendem dizer: Todo homem será salvo pela lei ou seita que professa, para que seja diligente em enquadrar sua vida de acordo com essa lei e com a luz da natureza. Porque a Sagrada Escritura nos apresenta apenas o Nome de Jesus Cristo, pelo qual os homens devem ser salvos.


XIX. Da Igreja.

A Igreja visível de Cristo é uma congregação de homens fiéis, na qual a pura Palavra de Deus é pregada, e os Sacramentos são devidamente ministrados de acordo com a ordenança de Cristo em todas as coisas que são necessárias para a mesma.

Como a Igreja de Jerusalém, Alexandria e Antioquia, erraram; assim também a Igreja de Roma cometeu um erro, não apenas em seu modo de vida e cerimônias, mas também em questões de fé.


XX. Da autoridade da igreja.

A Igreja tem poder para decretar ritos ou cerimônias e autoridade em controvérsias de fé: E, no entanto, não é lícito à Igreja ordenar qualquer coisa que seja contrária à Palavra de Deus escrita, nem pode expor um local das Escrituras, para que seja repugnante para outro. Portanto, embora a Igreja seja testemunha e guardadora das Escrituras sagradas, ainda assim, como ela não deve decretar nada contra o mesmo, assim, além do mesmo, não deve fazer valer qualquer coisa em que se acredite por necessidade de salvação.


XXI. Da Autoridade dos Conselhos Gerais.

Os Conselhos Gerais não podem ser reunidos sem o mandamento e a vontade dos Príncipes. E quando eles são reunidos (na medida em que são uma assembleia de homens, da qual nem todos são governados com o Espírito e a Palavra de Deus), eles podem errar, e às vezes erram, mesmo nas coisas pertencentes a Deus. Portanto, as coisas ordenadas por eles como necessárias para a salvação não têm força nem autoridade, a menos que se possa declarar que são tiradas da Sagrada Escritura.


XXII. Do Purgatório.

A doutrina romana sobre o purgatório, os perdões, a veneração e a adoração, assim como as imagens como as relíquias, e também a invocação dos santos, é uma coisa carinhosa inventada em vão e fundamentada em nenhuma garantia das Escrituras, mas repugnante à Palavra de Deus.


XXIII. De ministrar na Congregação.

Não é lícito a ninguém assumir o cargo de pregação pública ou ministrar os Sacramentos na Congregação, antes de ser chamado legalmente e enviado para executá-lo. E aqueles que devemos julgar legalmente chamados e enviados, que são escolhidos e chamados a esta obra por homens que têm autoridade pública dada a eles na Congregação, para chamar e enviar Ministros para a vinha do Senhor.


XXIV. De falar na Congregação em uma língua que o povo entenda.

É algo claramente repugnante à Palavra de Deus e ao costume da Igreja Primitiva, ter oração pública na Igreja ou ministrar os sacramentos em uma língua não compreendida pelo povo.


XXV. Dos sacramentos.

Os sacramentos ordenados por Cristo não são apenas emblemas ou símbolos da profissão dos homens cristãos, mas são certas testemunhas seguras e sinais efetivos de graça, e a boa vontade de Deus para conosco, pela qual ele trabalha invisivelmente em nós, e não apenas apressa , mas também fortalecer e confirmar nossa fé nele.

Existem dois sacramentos ordenados por Cristo, nosso Senhor, no evangelho, ou seja, o batismo e a ceia do Senhor.

Os cinco sacramentos comumente chamados, ou seja, Confirmação, Penitência, Ordens, Matrimônio e Extrema Unção, não devem ser considerados para os Sacramentos do Evangelho, pois cresceram em parte os seguidores corruptos dos apóstolos. estados de vida permitidos nas Escrituras; mas ainda não têm a natureza dos sacramentos com o batismo e a ceia do Senhor, pois eles não têm nenhum sinal ou cerimônia visível ordenada por Deus.

Os sacramentos não foram ordenados por Cristo para serem contemplados ou levados adiante, mas que devemos usá-los adequadamente. E naqueles que merecem receber o mesmo, têm um efeito ou operação saudável: mas os que os recebem indignamente compram para si mesmos a condenação, como diz São Paulo.


XXVI. Da indignidade dos ministros, que não impede o efeito do sacramento.

Embora na Igreja visível o mal seja sempre misturado com o bem, e às vezes o mal tenha autoridade principal no ministério da Palavra e dos Sacramentos, ainda que não seja o mesmo em seu próprio nome, mas no de Cristo e ministre por sua comissão e autoridade, podemos usar o ministério deles, tanto em ouvir a Palavra de Deus quanto em receber os sacramentos. Tampouco o efeito da ordenança de Cristo é tirado por sua iniquidade, nem a graça dos dons de Deus diminui de maneira que pela fé e com razão recebe os sacramentos ministrados a eles; que são eficazes, por causa da instituição e promessa de Cristo, embora sejam ministradas por homens maus.

No entanto, pertence à disciplina da Igreja que sejam feitas investigações sobre maus ministros e que elas sejam acusadas por aqueles que têm conhecimento de suas ofensas; e finalmente ser considerado culpado, por justo julgamento, ser deposto.


XXVII. Do Batismo.

O batismo não é apenas um sinal de profissão e sinal de diferença, pelo qual os homens cristãos são discernidos de outros que não são batizados, mas também é um sinal de regeneração ou novo nascimento, pelo qual, como instrumento, aqueles que recebem o batismo corretamente são enxertados na Igreja; as promessas de perdão dos pecados e de nossa adoção de ser filhos de Deus pelo Espírito Santo são visivelmente assinadas e seladas; a fé é confirmada e a graça aumentada em virtude da oração a Deus. De qualquer maneira, o batismo de crianças pequenas deve ser retido na Igreja, conforme mais agradável com a instituição de Cristo.